Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54403 )
Cartas ( 21031)
Contos (12030)
Cordel (9350)
Crônicas (20779)
Discursos (3097)
Ensaios - (9868)
Erótico (13087)
Frases (39449)
Humor (17507)
Infantil (3550)
Infanto Juvenil (2302)
Letras de Música (5406)
Peça de Teatro (1308)
Poesias (134975)
Redação (2860)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2368)
Textos Jurídicos (1911)
Textos Religiosos/Sermões (4089)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->1971 - Curriculum Vitae -- 09/03/2017 - 16:06 (Jairo de A. Costa Jr.) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


1.971 – Curriculum Vitae

Ainda no tema currículo, ele já foi chamado de curriculum vitae, do latim e pronúncia: kurrikulum witaj, sendo curriculum no sentido de carreira, curso, percurso e vitae no sentido de vida. Ainda pode ser chamado se assim quiser, melhor chamar currículo mesmo. No meu terceiro colegial em Itapetininga, a professora de português pediu uma redação com o tema sua vida até aquele momento e me lembro da primeira parte, já que apresentei um acróstico com meu nome – Já nem sei se estou aqui, ali ou acolá. Infinitamente começou realmente pelos idos de cinquenta e quatro e assim por diante até o erre final do meu Júnior. Posso dizer que este acróstico foi o meu primeiro curriculum vitae, já que currículo é vocábulo mais novo, desses últimos tempos.

Para meu primeiro emprego em São Paulo não precisei de currículo, porque eu tive um padrinho poderoso, o Naile, quem me indicou à Eucatex, onde trabalhei por quase três anos e também conheci a Dona Edna, o melhor percurso da minha vida. Depois, nem falo a quantidade de curriculum vitae elaborada para conseguir os empregos que consegui e o último digitado foi em dois mil e oito. Está precisando de uma revisão.

E nesta revisão não devo colocar siglas, mesmo que sejam comuns. Você que está pensando em elaborar o seu, não se esqueça da pessoa que irá ler o seu currículo, ela poderá não estar familiarizada com as siglas e abreviações colocadas. Uma vez, entrevistando uma moça, perguntei o que significava “ETC”, nem ela soube me responder e tentou uma enrolada, motivo de eu parar imediatamente a entrevista e negar o emprego, entre outras limitações. Já recebi cada currículo desse jeito e aconselho – siglas e abreviações não impressionam.

Detalhar as funções anteriores conta pontos positivos, mas cuidado com a expressão “Responsável por...”. Ela pode tirar o enfoque do que interessa, coloque direto a função e mantenha apenas informações verdadeiras sobre sua carreira, sem dados falsos ou que maquiem as suas reais atividades. Destaque as diferenças das funções exercidas e ajude o recrutador a compreender a sua evolução profissional, com a cronologia correta.

O seu currículo agrupa informações somente da sua própria pessoa, então, cuidado com o uso de pronomes pessoais como eu, meu, nosso. A forma mais direta sem pronomes pode tornar as informações mais claras, já que o currículo pressupõe contar a sua história; contudo, se precisar colocar um pronome coloque Eu, já que Eu falo de mim, nunca Nós e lembro-me do Jô Soares dando uma dura num entrevistado, que ao ser perguntado respondia com Nós fizemos e Nós isso e aquilo. O Jô parou e tascou – Nós quem?

Vale o mesmo para você, durante a sua entrevista, pois você é “Eu” e não “Nós”. Olha só que chato, quando o entrevistador pergunta onde você nasceu e responde – Nós nascemos em São Miguel. Tenho um conhecido que escreve textos bons, porém na primeira pessoa do plural, são nós demais para a minha cabeça.

Geralmente numa entrevista de emprego devemos responder o que nos foi perguntado, de forma sucinta e direto ao ponto. Excesso de palavras é um pecado, tanto no currículo, como nas entrevistas; soam e transmitem evasivas. Para os mais jovens, com pouca experiência, o que os recrutadores mais levam em conta é o potencial que o jovem candidato carrega consigo. O jovem pode suprir a falta de vivência profissional com algumas experiências da faculdade, do colégio, de algum curso, trabalho voluntário relevante, ou atividade comunitária, onde tenha exercido posição de destaque, ou relevância.

Grandes empresas têm selecionado grupos de trainees com base única no currículo escolar dos alunos pretendentes e no próprio interesse do “interessado”. Conheço um grupo de jovens participantes de uma dinâmica na Sadia, que escreveu sobre o Chester, produto da Perdigão. Isso quando as duas ainda eram separadas. Foram reprovados pela falta de conhecimento da empresa em que estavam interessados e nesta quinta, nove de três de dezessete, encerro desejando sucesso na sua próxima busca de emprego. Sucesso!


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 39Exibido 35 vezesFale com o autor