Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
73 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9543)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39899)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->RUA X -- 04/06/2017 - 03:25 (PAULO HENRIQUE COELHO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



     Oswaldo completou noventa anos e percebeu que durante toda a sua vida morara em apenas cinco lugares, em cinco ruas diferentes: rua Doutor Jesuíno de Souza; rua Constantino Maciel; rua Acalifas e rua Afonso XIII. Oswaldo completou noventa anos e percebeu também que, entre tantos disparates de fim de jornada, mantinha-se em uma dúvida: não sabia quem foram as pessoas ou coisas homenageadas atrás daquelas ruas. Isto era algo significativo. Ninguém deve morrer com esta dúvida. Idosos podem chegar à perfeição.

       Oswaldo morou durante quarenta anos na rua Acalifas. Nunca soube o que era uma acalifas. Parecia algo sem sentido. Descobriu que Acalifas era o nome de um arbusto ornamental de folhas avermelhadas. Dizem que é conhecida também por “flamengueira” porque a coloração das folhas é semelhantes as cores do Clube de Regatas do Flamengo. Oswaldo era vascaíno. Então residira na rua errada. Isto lhe provocou uma depressão estranha. Comemorou todos os campeonatos do Vasco da Gama na própria sede do adversário. Tal absurdo pareceu-lhe igual ao dia em que soube: no final, depois de roubada, a taça Jules Rimet, do tricampeonato mundial de futebol, foi comprada e derretida por um atravessador argentino. Do mesmo modo Oswaldo festejara muitos títulos do Vasco em uma rua que torcia para o Flamengo. Isto não pareceu muito certo, mas tudo poderia ser apenas uma cisma de velho. Oswaldo não sabia. Preferiu não problematizar títulos de futebol, ou melhor, não se deve problematizar muitos rótulos aos noventa anos. Esta conclusão ainda era um progresso, pensou.

      Oswaldo procurou saber depois, quem estava por trás da rua em que morava atualmente: rua Afonso XIII. Afonso XIII foi o rei da Espanha no início do século XX. Ele viu cair o império espanhol. A Espanha perdeu Cuba, Porto Rico e até as Filipinas. Então por que a rua recebeu o nome do tal rei que perdeu tudo? Quem sabe fosse pelo fato do rei representar uma existência última e existências últimas precisam de alguma colocação em grandes cidades. Oswaldo estava então na rua certa. Aos noventa anos era um dos últimos, em seu local de honra e tudo estava quase resolvido. Foi pesquisar então as ruas da sua infância no Rio: rua Jesuíno de Souza, rua Constantino Maciel. Quem seriam estes homens? Será que se conheciam? Lutaram na guerra do Paraguai? Amaram quantas mulheres? Oswaldo pesquisou e nada descobriu. Os dois homens não existiam mais. Não estavam nem nos informes da prefeitura. Eram apenas ruas. Não existiam.

      Oswaldo pensou: as vidas daqueles homens deixaram de constar, mas certamente os semáforos funcionam nos cruzamentos. Isto justificava alguma coisa.

      Luzes verdes acionando semáforos revelam alegrias matinais. Oswaldo sentiu esta alegria por um momento e chegou à perfeição. Foi um esplendor às sete da manhã do dia 28 de janeiro.

     O senhor Oswaldo não precisa mais de muitos rompantes aos noventa anos, mas o que ele pode fazer?



DO LIVRO: "TOUROS EM COPACABANA"


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 45 vezesFale com o autor