Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54939 )
Cartas ( 21059)
Contos (12120)
Cordel (9541)
Crônicas (21128)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39893)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5413)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135641)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->NEM TUDO ESTÁ PERDIDO... -- 30/07/2017 - 15:11 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

NEM TUDO ESTÁ PERDIDO...

 

Os acontecimentos políticos sociais mais recentes, envolvendo a vontade do povo e os reflexos das ações nefastas praticadas pelos atuais integrantes da política partidária nacional, no entender de Jô Formigão, provaram mais uma vez que a regra do jogo só pende para o lado de quem detem o poder nas mãos.

Segundo ele, ir para as ruas pedir mudanças para melhorar as ações governamentais faz parte do dever cívico do cidadão consciente, mas em nada alterará o roteiro dos integrantes da política partidária que tem o desejo incessante de sempre procurar solucionar os próprios problemas em detrimento daqueles que causaram para o seu povo.

O neopolítico Jô Formigão, desiludido com o futuro do mundo da política partidária atual, em razão das promessas que lhes foram feitas pelos políticos mal intencionados nas últimas eleições, ele faz uso das palavras que o antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro, escreveu certa vez, e afirma que uma parcela do povo brasileiro sensato, assim como ele,  certamente dirá para os seus descendentes, daqui a alguns anos,  tão próxima  e flagrante estará sua desilusão, o que foi dito por aquele ilustre brasileiro:

"Fracassei em tudo o que tentei na vida.
Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui.
Tentei salvar os índios, não consegui.
Tentei fazer uma universidade séria e fracassei.
Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei.
Mas os fracassos são minhas vitórias.
Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu."

- Avante, meu povo! - complementou Jô Formigão.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 23Exibido 22 vezesFale com o autor