Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55345 )
Cartas ( 21072)
Contos (12178)
Cordel (9607)
Crônicas (21339)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13148)
Frases (40254)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135960)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Tenho 43 Anos, Nunca Tive um Amor Correspondido e Descobri Q -- 07/08/2017 - 20:59 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tenho 43 Anos, Nunca Tive um Amor Correspondido e Descobri Que Sou Um Unicórnio
Semana passada, eu estava tomando um lanche com uma amiga e sua filha, de 10 anos de idade, quando, de repente, a menina falou:
- Tenho medo de nunca ter um amor que me corresponda na vida.
Então a mãe dela disse:
- Calma, pois você só tem 10 anos!
- Não conheço nenhuma pessoa, com mais de 40 anos, que nunca tivesse sido correspondida. Aliás, se existe, não deve ser um humano e, sim, um unicórnio.
Naquele instante, exclamei com bom humor:
- Acabei de descobrir que sou um unicórnio!
- Pois tenho 43 anos e nunca tive um amor correspondido na vida!
- Bem, mas eu tive amores platônicos que são poéticos e líricos.
- Em 1986, quando eu tinha 12 anos, morava em Brasília e me apaixonei pelo irmão de uma amiga. Porém foi um amor platônico e não correspondido. Na metade de 1988, minha família foi transferida para Curitiba e tive que morar no Paraná. Porém não conseguia esquecer o meu amor platônico. Deste jeito eu mandava cartas que nunca recebi respostas. Até que algum tempo depois descobri que, em Curitiba, tinha um programa que lia cartas de amor no rádio. Assim passei a escrever poemas dedicados a minha paixão impossível. O locutor que lia meus textos era o excelente Vargas em seu programa de rádio chamado Love Songs.
Durante a minha adolescência toda sofri bullying por ser obesa e masculinizada. As meninas mais bonitas da sala falavam para mim as expressões:
- Baleia!
- Barril!
- Gorda!
- Sapatão!
- Você nunca casará na vida!
Mesmo assim sonhei com meu amor impossível até os 27 anos. Quando fui convidada para frequentar um grupo de poetas da vida real. Na primeira vez que entrei lá, avistei um moço muito bonito que parecia aqueles roqueiros de Seatle dos anos 90. Inclusive ele lembrava muito o cantor Kurt Cobain. Porém pensei:
- Um homem destes nunca vai querer nada comigo!
Até que um dia, nestes encontros literários, conversamos sobre cursos gratuitos e falei que fazia aulas em um local aberto para a comunidade, no Centro de Curitiba, e escrevi o endereço para esta pessoa. Até que na semana seguinte o moço passou a frequentar o local todos os dias. Deste jeito, ele me passou a tratar como namorada e, realmente, pensei que estávamos namorando. Até que, no final, o moço deu indiretas de que tudo aquilo era uma brincadeira. Então se era tudo um jogo, com certeza, não fui correspondida. Algum tempo depois, ele foi embora para sua cidade natal. Não condeno o rapaz por estas atitudes, afinal, brincadeiras acontecem.
Depois um amigo, pelo qual eu não era apaixonada, insistiu em namorar comigo e eu aceitei. Porém, o namoro acabou porque eu não tinha interesse nele.
Após isto, nunca mais namorei ninguém. Durante todo este tempo, que fiquei sozinha, aproveitei para fazer cursos, trabalhar e conhecer o meu eu interior. Foi durante este período que descobri que, realmente, tinha sérios problemas de coordenação motora fina e resolvi fazer aulas de dança para diminuir estes transtornos. Também neste período minha mãe teve um tumor na cabeça e precisei me dedicar a sua saúde. Desta maneira coloquei em prática os conhecimentos que obtive fazendo o curso de Cuidadora de Idosos.
Graças à solidão conheci mais sobre minha personalidade e me dediquei sobre projetos construtivos. Inclusive ganhei concursos literários e fui eleita madrinha de uma ONG que ajuda crianças carentes.
Ninguém é obrigado a viver um amor correspondido, nem a casar e muito menos a fazer sexo. Isto são apenas tijolos que a sociedade coloca nas telhas das cabeças das pessoas como obrigações.
Se todas as pessoas encontrassem seus romances ideais, a sociedade estaria mais desiquilibrada que está.
Aprendi que estar solteira e fazer o bem é a minha missão. Pois seria impossível me dedicar às certas atividades construtivas se eu fosse correspondida.
Portanto, é normal você desejar viver um amor correspondido um dia. Mas enquanto isto não acontece, se dedique aos estudos e, principalmente, a fazer o bem. Mas se o amor não aparecer, como foi o meu caso, saiba que você tem uma missão nobre a cumprir. Pois bem melhor do que viver uma paixão correspondida é se dedicar ao amor pela humanidade com o objetivo de fazer um mundo melhor.
Com relação ao unicórnio, estudei muito sobre esta figura mitológica e descobri que ela tem muito a ver com minha vida. Pois reza a lenda que só as virgens podem dominar um unicórnio. Talvez eu seja aquele unicórnio com asas, chamado Pégaso, pois tenho asas que a Poesia e a Solidão colocaram em mim e por isto viajo até hoje ao universo da imaginação.
Luciana do Rocio Mallon

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui