Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55216 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9588)
Crônicas (21289)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40118)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135847)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->PÉROLAS DA ORALIDADE -- 26/08/2017 - 02:52 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
PÉROLAS DA ORALIDADE
(fatos históricos)
 
  
 
            A língua nativa, que não tem forma escrita, corre o risco de extinção. Essa é uma grande verdade já dita por outros pensadores. Morando na Bahia, conheci, por intermédio da escolinha de meus filhos, uma música indígena que denominei de “Biscotinga Ararumbê”, mas nunca soube sequer a que tribo pertencia. Publiquei-a na Internet, solicitando aos leitores alguma informação histórica sobre a música e sobre a tribo que falava aquela língua. Música indígena, versão conhecida na Bahia. 

Auá,  sarumbêrumbá 
Biscotinga  ararumbê 
Bicotinga,  tingá 
 
Dondom  jacotingôlê 
Biscotinga  ararumbé 
Biscotinga,  tingá. 


             É verdade que a escrita passa, primeiramente, pela oralidade, mas, sem a escrita, a língua falada modifica-se desordenadamente, fragmentando-se. Com isso, perde valioso patrimônio cultural por falta de registro. A propósito, quatro meses depois que divulguei a música indígena na Internet, a escritora Ângela apresentou-me outra versão, provavelmente, da mesma música, mas também diz não conhecer nem a origem, tampouco o significado das palavras. Não se sabe, portanto, qual das versões é a original, nem se há uma tradução para alguma língua falada por outros povos. Supõe-se, contudo, que a música pertença a alguma tribo brasileira. Assim, a lembrança popular de uma raça que viveu no passado permanece viva na oralidade de sua composição musical, mesmo que cantada, apenas de forma semelhante, em diversas partes do país. Modalidade conhecida em Minas Gerais.(não entendi... falta algo..) Note-se a beleza da musicalidade provocada pela aliteração dos fonemas /a/, /u/, /i/, /g//r/, /s/, /t/ e outros.



                        TUM  TUM  JACUTINGALÁ 
PISCATUNGA  ARARUÊ
 PISCATUNGA  TINGA 

UÊ UÊ  SARUBÊ  UBÁ 
PISCATUNGA ARARUÊ 
PISCATINGA TINGA
 
 ***
Adalberto Limna.
Imagem: Internet
 
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 26/08/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 40 vezesFale com o autor