Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55059 )
Cartas ( 21063)
Contos (12133)
Cordel (9565)
Crônicas (21228)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39984)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135729)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->UM PRESENTE INESPERADO -- 02/08/2017 - 15:46 (valentina fraga) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O dia era escuro e chovia fino. Um certo frio, fazia com que o escritório estivesse todo fechado, apesar do ar que ainda permanecia ligado numa temperatura ambiente.
Poucos clientes ousavam sair de casa com aquela garoa. As aulas ainda não haviam recomeçado e a meninada estava presa em suas brincadeiras caseiras, ligadas em seus equipamentos eletrônicas.
Enquanto ela atendia na loja, os outros que lhe acompanhavam, já havia marcado encontros com clientes, e portanto, tinham que cumprir a agenda, e por esse motivo, reinava a paz, sem contar com o time da produção com suas máquinas ruidosas no final do terreno onde concentrava-se o coração da empresa.
Valentina, entretida em sua máquina, via fotos antigas, lia mensagens de amor, escrevia algumas coisas, e depois jogava fora, assim fazia com a maior parte do que escrevia.
Tinha as ideias, as mais loucas, mas sentia-se constrangida em compartilhar, ora porque pareciam o cúmulo da inocência romântica, e outras por serem eróticas demais. Por mais que não parecesse, sempre existiria um filtro da vergonha, de parecer afoita, ou por outras, idiota demais.
Quase nunca as pessoas que amamos correspondem às nossas expectativas, mas, as vezes se desinibia e pronto, a coisa acontecia, raramente, é fato, pois era rodeada de parceiros, clientes e funcionários, além dos telefonemas intermináveis e os projetos de clientes.
Algumas vezes, as ideias lhe ocorriam, e se perdiam no momento seguinte, pois a concentração de fato, era rara.
Nesse dia, especificamente pensava, na lei do retorno. Tinha plena consciência, de que de dava muito mais do que recebia, e não achava isso justo. Afinal, o que é justo nesse mundo? Por vezes, nem seus pensamentos e seus desejos, eram cobertos de justiça.
Estava perdida mesmo nesse pensamentos, até que entrou uma pequena van no estacionamento da loja e dela saiu um menino franzino.
Carregava na mão, o que Valentina julgava um pedido qualquer dobrado em quatro.
Quando entrou na loja, rapidamente, fugindo da chuva fina, declarou:
- Encomenda para Sra. Valentina.
Sorte que não tinha ninguém, se não teria que dispensa-lo.
- Pois não, pode deixar que eu entrego. E rapidamente pegou o pequeno envelope. Era quadrado e inflexível.
Abriu rapidamente e havia um dvd e um bilhete colado que dizia: - Já que não podemos nos ver, espero que goste de tudo que está neste dvd, e assinava com suas iniciais.
Mas é claro! Mais uma vez ele surpreendia. Havia mandado um dvd. E o que que havia ali? Na hora, ficou extremamente excitada, torcendo para que ninguém chegasse naquele momento, ou o telefone tocasse, ou qualquer funcionário viesse pedir alguma coisa.
Colocou no computador, e pôs pra rodar.
Mas o que era aquilo... ele havia feito uma seleção de lindas imagens e com sua voz, gravou uma quantidade imensa de mensagens que eles trocaram durante tanto tempo.
Cada coisa que houvia, com a voz rouca e grave, reproduzida do outro lado, aumentava sua libido. Entre uma mensagem e outra havia um intervalo, onde ele dizia. Eu tenho uma surpresa muito gostosa no final.
Bom, é claro, que ela não queria perder a surpresa prometida e adiantou o dvd para o final, antes que fosse interrompida por alguém.
Mas aquilo era bom demais. Ele havia grado um filme completo, onde a música do fundo, e os gemidos que produzia, além de imagens maravilhosas, onde se tocava só pra ela. Um filme completo, começo meio e fim, fazendo com que Valentina chegasse à loucura, sentada em sua cadeira, no local de trabalho.
É claro, que o objetivo, não seria que ela escutasse aquilo ali, e sim, depois do expediente, final da noite, em sua cama...
O fato é que, a partir daquele instante. tudo que valentina queria, é que a tarde passasse bem depressa, e que ela tivesse um tempo à sós em casa, pra curtir cada segundo daquele dvd.
Quem sabe ele também ia querer um igualzinho pra se divertir da mesma forma?
Por hora, era aguardar, até que a noite chegasse...
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui