Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55347 )
Cartas ( 21072)
Contos (12178)
Cordel (9607)
Crônicas (21341)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13148)
Frases (40257)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135960)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1036)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4240)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Nunca Diga: Desta Coxinha Velha Não Comerei(Corrigido) -- 11/10/2017 - 16:35 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Nunca Diga: Desta Coxinha Velha Não Comerei, Pois o Caminho da Vida é Longo e Na Metade Você Pode Sentir Fome
Meu sonho sempre foi viver aquelas histórias de amor, onde o casal se conhece na adolescência, mas os dois se mudam de cidade. Porém se encontram anos depois.
Conheci meu primeiro namorado num grupo de poetas. Mas o namoro durou cerca de um ano porque ele voltou a morar na sua cidade natal, que fica no interior do RS.
Quinze anos depois, o moço voltou para Curitiba. Porém ao ver as minhas fotos falou que não queria mais nada comigo porque eu fiquei feia e velha. Depois ainda comentou que nunca precisaria de nada meu, muito menos de comida.
Não liguei porque homem que só dá valor para a aparência nem vale a pena ficar perto.
Um ano depois participei de um evento onde me apresentei e precisei ir embora antes de encerrar. Mas depois soube que este moço, depois de vender flores, foi à festa, pegou um prato que encheu das coxinhas e empadinhas que eu levei.
Após isto ao ver as imagens que meus amigos mandaram, escrevi a seguinte mensagem ao rapaz:
- Sabe aquelas coxinhas e empadinhas que você comeu e se lambuzou?
Pois, é!
Fui eu que levei.
Moral da história:
Nunca Diga: Desta Coxinha Velha Não Comerei, Pois o Caminho da Vida é Longo e Na Metade Você Pode Sentir Fome.
Luciana do Rocio Mallon




Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui