Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55236 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40131)
Humor (17566)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135866)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Eco, Mentor e a Legião de Imbecis - Parte I -- 21/10/2017 - 07:44 (ALEXANDRE MOTTA JUSTO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Eu já disse que sou um escroto? Não lembra? Pois é: eu sou um grande e orgulhoso escroto (basta ler as merdas que eu escrevo aqui) e por ser esse escroto é que eu fiz o que fiz.

Foi assim.

Humberto Eco, o famoso guitarrista da banda Led Zeppelin (conhecida por músicas como "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Foucault"), disse uma coisa interessante na entrevista que deu na última edição da Rolling Stones.*

Referindo-se à internet assim se manifestou:

“As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel”


E porque eu estou me importando com o que falou um guitarrista semi-analfabeto de uma banda de quinta categoria durante uma entrevista para uma revista de fofocas?

É pelo seguinte.

Existe no mundo um cara chamado Mentor Neto. Ele tem uma coluna na revista Isto é e uma conta no Facebook onde escreve algumas coisas (se seus textos são bons ou ruins julguem vocês mesmos).

No Facebook tem cerca de 166.000 seguidores (a tal legião de imbecis).

O Mentor Neto tem uma característica tão triste e solerte que já me fez ejacular de raiva nas cuecas três vezes: quando algum seguidor faz uma crítica aos seus textos (por mais respeitosa, inteligente e pertinente que seja) ele simplesmente bloqueia a pessoa.

Ele não admite que seu texto não tenha alcançado a perfeição, que alguém não tenha gostado do que ele escreveu, que uma das pessoas que o seguem tenha encontrado uma falha ou contradição ou que ele simplesmente tenha escrito um texto de merda!

E, pasmem, também bloqueia quem, embora elogie o seu texto, discorda do bloqueio daquele que criticou o seu texto.

Em resumo: bloqueia quem não gostou do seu texto e também aquele que gostou mas discorda do bloqueio do primeiro.

Eu particularmente considero essa atitude típica de um solerte**: você nunca vai ler no Facebook críticas aos textos do dito cujo, mas apenas elogios da legião de imbecis que o seguem. E qual a consequência disso? O cara é um gênio! Seus textos são impecáveis. É um escritor do caralho! Prêmio Nobel de Literatura no cu dele. O incauto cidadão que lê qualquer texto seu no Facebook e depois lê os comentários não lerá uma só opinião negativa, mas somente opiniões positivas!

Há uma possível maldade em tudo isso: um editor que eventualmente esteja interessado em publicar um livro do magistral Mentor poderá dar uma olhadinha em sua página no Facebook e lá encontrará: seus textos, 160.000 seguidores e somente elogios. O que ele pensa? “Bom, por baixo uns trinta mil exemplares”. Não posso afirmar que o Mentor Neto age com essa malandragem em mente. Talvez ele seja só uma criatura alucinadamente vaidosa que se recusa a acreditar que não é uma sumidade. Talvez seja esse o caso.

Uma explicação: eu comecei a segui-lo porque um amigo do Facebook compartilhou um texto dessa criatura que tinha algo de importante para nós. Mas depois achei que seus textos eram muito ruins e, por um acaso da vida digital, tomei conhecimento de sua já narrada característica.

Como detesto esse tipo de gente decidi deixar de segui-lo, mas fazendo com que ele me bloqueasse.

Pois bem: após uma curta espera esse dia finalmente chegou, mas o dia da minha vingança, da luta de um contra uma legião de imbecis, da batalha mortal repleta dos argumentos mais imbecis e sem sentido que já vi na minha vida que se travou quase à meia-noite publicarei em um futuro bem próximo.

* Sim, eu estou de sacanagem
** Vai no dicionário, abestado.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 26 vezesFale com o autor