Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57020 )
Cartas ( 21138)
Contos (12544)
Cordel (9893)
Crônicas (21963)
Discursos (3125)
Ensaios - (10052)
Erótico (13234)
Frases (42176)
Humor (17912)
Infantil (3635)
Infanto Juvenil (2385)
Letras de Música (5453)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137362)
Redação (2894)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4542)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Até quando, meu Deus. Até quando?... -- 13/02/2018 - 23:00 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


A menina do sinal apressa-se. Esfrega a esponja, depois puxa a água com um   pequeno rodo. Enxuga os vidros. A mão lhe estende uma  moeda. — Deus lhe pague, seu Paulo — disse ela.



 O sinal abre.



 Motoristas arrancam os veículos,  simultaneamente. Vaninni acena. Ravenala fica triste. Aquela menina deve ser da sua idade. Muitas crianças não estudam porque os mandarins guardam o dinheiro da Educação em seus bolsos rotos. Quebram limites e barreiras, vencem obstáculos, e burlam a Lei. Com asas negras sobrevoam, impunes, o abismo de seus crimes. Maquinam o mal e só o mal fazem ao semelhante.



"Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência? Por quanto tempo a tua loucura há de zombar de nós?... Quem, dentre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, onde estiveste, com quem te encontraste, que decisão tomaste? Oh tempos, oh costumes!"




Até quando, meu Deus! Até quando?...




 


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 35 vezesFale com o autor