Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
126 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56733 )
Cartas ( 21128)
Contos (12527)
Cordel (9865)
Crônicas (21901)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41767)
Humor (17750)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137080)
Redação (2887)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Fale agora, ou se cale para sempre -- 02/03/2018 - 11:55 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 


 







 Era primeiro de abril do ano de mil novecentos e alguma coisa. Sobre o tapete vermelho, ele andava  como quem caminha sem querer chegar.Desolado, Daniel entrega Ravenala a Robert, como Abraão entregou Sara ao faraó e sozinho volta, entristecido. Sentou-se ao lado de Morgana. Ela o desprezou. Não lhe sorriu, desejou matá-lo.
O ministério de música para de tocar.Frei Gaspar saúda os noivos. A assembleia reduzida fica de pé, faz o sinal da cruz e reza o Ato Penitencial. Cumpriu-se o rito até  o momento do “Sim” ou ‘Não!...’

— Robert Louis   Pastorelli, é de livre e espontânea vontade que aceita Talita Ravenala Palmeira, como sua legítima esposa?
— Sim!
O silêncio da noiva misturou-se com o barulho vindo da porta principal. Jeremias gesticulava, pulava e sacudia desesperadamente os braços. Subia e descia balançando as partes vergonhosas, mal guardadas. Frei Gaspar conjecturava: ‘As mulheres seguram os seios quando pulam. Já os homens não se preocupam com seus penduricalhos. Será por que o pai da noiva veio com aquele traje?’ Alguém entregou as alianças ao celebrante, e uma luz brilhou como lampejo: ‘Se alguém souber de algum impedimento, fale agora, ou se cale para sempre!’ Um grito pula no ar como foguete itabirano: ‘Eles são irmãos! Eles são irmãos!...’ Os convidados olharam para trás e viram um homem com roupas de dormir, ainda em pé, mas despencou em fração de segundos. Exausto como o soldado de Maratona, Jeremias tombou. Bateu a cabeça no chão, produzindo um som fofo e indescritível, que ecoou em toda nave da igreja. O sangue escorreu no mosaico. Robert   empalideceu.  Acabara de achar o pai e perder a noiva. Então, teve uma ideia, um gesto de carinho que  antes, não pudera receber nem dar. Retirou o lenço, que enfeitava o fraque, enxugou suavemente o sangue que escorria da sobrancelha de Jeremias, guardou o lenço, e  disse para sua alma: ‘Hoje perdi minha noiva e meu pai, ou não! As duas coisas juntas ou nenhuma delas’.
Chorou.
E o vento levou seu sorriso sob a máscara do pranto.

 




***
Extraído do livro "Estrela que o vento soprou."


 






 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui