Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56130 )
Cartas ( 21113)
Contos (12445)
Cordel (9802)
Crônicas (21706)
Discursos (3120)
Ensaios - (9953)
Erótico (13192)
Frases (41222)
Humor (17643)
Infantil (3599)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136701)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4462)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Palavras mortas -- 29/03/2018 - 11:12 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Palavras

Qual o peso senão a sonoridade? Cortante, se não pesa? Eclodem de uma cavidade motorizada por meros músculos que audaciam uma inteligência que não existe. Então, porque incomodam em tantas modas de interação? Para lavra oxigenam bucal mente o pensamento solitário e descansam ao silêncio tumular do vazio deixado por elas. Ambíguas, tísicas, tímidas... palavras, sulcam e revolvem vocábulos aprisionados, rebelam ou revelam... vida morta.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui