Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56470 )
Cartas ( 21122)
Contos (12490)
Cordel (9844)
Crônicas (21810)
Discursos (3123)
Ensaios - (9983)
Erótico (13198)
Frases (41498)
Humor (17697)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136958)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4478)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Estações da vida -- 29/04/2018 - 19:20 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos








Os rios correm apressados, o regato serpenteia entre montanhas, e descansa na bacia do mar. Assim também, a alma humana, um dia descansará em paz no oceano das águas criadas. Misturadas, criador e criaturas, como uma só água pura e cristalina. Longe, muito longe dali. A menina dos olhos não alcança a finitude. Tudo é tão belo como aurora que se põe no entardecer. A menina passa boa parte da vida, esperando ficar moça. Guarda a virgindade para o matrimônio, mas o homem é garanhão como um cavalo roncando atrás de uma égua no cio. Vil machismo: o que é pecado para a mulher, não o é para o homem. O dicionário também machista: registra só palavras masculinas, o gênero, se faz à parte. Há também outros livros que protegem o homem. Fala de mãe solteira, e não menciona o pai. Apedreja a mulher adúltera. 


 É o padrão social. Maldita regra  que a sociedade dita. Ninguém reclama, ninguém  grita. Mas no meio do caminho está um ancião de vestes brancas. Ele não atira pedras, só replica: “Mãe solteira não é estado civil.” Porém, a multidão de pecadores  se irrita.

O bedel toca a sineta. É hora de ir para casa. Transeuntes num vaivém  vão, outros vêm. Apressados, correm. Seguem assustados. Aflitos como galinha  em território de gavião. O trem metropolitano parece parado na estação. Vultos  velozes de homens e de mulheres passam voando, penduradas como blusas em movimento. Não dá tempo de  reconhecer  as bonitas que se misturam com as dentuças, banguelas, brancas, pardas, e amarelas... Homens de toda estatura: sérios,  grandes, pequenos, negros e branquelos, corados, e  amarelos. Boas e más  criaturas voam vestidas  de muitas cores e  etiquetas: panos finos ou grosseiros guardam  mulheres, homens e meninos, em suas etiquetas. Famosas e também as baratas compradas na feira livre viajam no metrô. Gente que tem pressa de chegar, outros tardios. Lentos corsários tomam de assalto uma presa. Apressados leopardos, trombam na calçada. Na plataforma é o trem que corre nos trilhos levando mulher, marido e filho nem sempre para o mesmo lugar. O trem chia, chegado.  Fernão ocupava uma cadeira no primeiro vagão. Ravenala  desembarca na Estação Carioca. O passageiro segue viagem. Nunca lhe dirigira a palavra senão, quando a perna da moça ficou presa no vão entre a plataforma e o trem.


***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou."





Adalberto Lima




Enviado por Adalberto Lima em 29/04/2018


Leia também:



 


Arco do cupido 







 

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 45 vezesFale com o autor