Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55932 )
Cartas ( 21109)
Contos (12417)
Cordel (9756)
Crônicas (21610)
Discursos (3119)
Ensaios - (9947)
Erótico (13172)
Frases (41017)
Humor (17617)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5434)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136491)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4430)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Estação do Metrô -- 29/04/2018 - 21:24 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos







Transeuntes num vaivém  vão, outros vêm. Apressados, correm. Seguem assustados. Aflitos como galinha  em território de gavião. O trem metropolitano parece parado na estação. Vultos  velozes de homens e de mulheres passam voando, penduradas como blusas em movimento. Não dá tempo de  reconhecer  as bonitas que se misturam com as dentuças, banguelas, brancas, pardas, e amarelas... Homens de toda estatura: sérios,  grandes, pequenos, negros e branquelos, corados, e  amarelos. Boas e más  criaturas voam vestidas  de muitas cores e  etiquetas: panos finos ou grosseiros guardam  mulheres, homens e meninos, em suas etiquetas. Famosas e também as baratas compradas na feira livre viajam no metrô. Gente que tem pressa de chegar, outros tardios. Lentos corsários tomam de assalto uma presa. Apressados leopardos, trombam na calçada. Na plataforma é o trem que corre nos trilhos levando mulher, marido e filho nem sempre para o mesmo lugar. O trem chia, chegado.  Fernão ocupava uma cadeira no primeiro vagão. Ravenala  desembarca na Estação Carioca. O passageiro segue viagem. Nunca lhe dirigira a palavra senão, quando a perna da moça ficou presa no vão entre a plataforma e o trem.

—Você se machucou?  
—Não, não. Apenas arranhões...
—Mas está sangrando... 
—Sangra pouco. 

Passou o número do telefone, anotado em um pedacinho de papel  retirado da agenda. Acompanhou-a com o olhar e despediu-se, tão logo o enfermeiro limpou os ferimentos e entregou a ela  um pacote com mercúrio e algodão: ‘Repita este procedimento amanhã. Não é nada grave, requer apenas higienização, uma vez por dia. ’ Ela desejou vê-lo novamente. Não o enfermeiro. O passageiro cortês e delicado que a socorreu. Seria como encontrar uma agulha no palheiro. O Rio de janeiro é grande e movimentado em qualquer estação. 
Pôs a melhor roupa, soltou o cabelo, passou maquiagem e ligou para o número recebido. O celular tocou, até cair na caixa postal.  Apressou-se para pegar o metrô e ocupar o primeiro vagão. O trem chiou a um palmo de distância de seus pés. Lembrou-se da perna presa no vão da plataforma e entrou com cuidado. O primeiro vagão estava cheio de gente vazia, duas velhinhas conversavam em pé, porque as cadeiras reservadas aos idosos estavam ocupadas por jovens, que sorriam zombeteiros. Muitas pessoas penduradas nas barras de ferro  disputavam um lugar para colocar as mãos. Olhou atentamente. Com certeza, não era ele. Aquele homem não usava terno. Não era, portanto,  o cavalheiro que a ajudara no dia do acidente na plataforma.  

Letreiros do túnel passam em película acelerada. O maquinista puxa as rédeas do cavalo de ferro e aos poucos, a  máquina perde velocidade. É nova estação.

***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou."






Adalberto Lima




Enviado por Adalberto Lima em 29/04/2018


Leia também:



 

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 38 vezesFale com o autor