Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
122 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56470 )
Cartas ( 21122)
Contos (12490)
Cordel (9844)
Crônicas (21810)
Discursos (3123)
Ensaios - (9983)
Erótico (13198)
Frases (41498)
Humor (17697)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136958)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4478)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Leitura da homilia dominical do Menino do Engenho , segundo -- 06/05/2018 - 15:10 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Leitura da homilia dominical do Menino de engenho, segundo o evangelho Bidiônico


Conhecido pela cidade como o menino que brincava nas áreas de um antigo engenho, onde haviam máquinas que já não mais funcionavam e diferente de outras crianças, não continha sua alegria quando em dia de domingo, sua mãe o liberava das tarefas diárias de casa para enfim, rumo à liberdade, desfrutar das recordações de maquinário antigo sem nunca ao menos ter vivido ou mesmo presenciado como trabalhavam os serviçais do engenho. Para ele, a máquina de moer cana tinha vida, claro só estava envelhecida pela ação do tempo, que aliás ninguém escapa. Mas o menino se encantava só de olhar a roda da moenda parada impregnada de poeira. Era como se o equipamento com ele estivesse falando só pela simples presença. Como tudo na vida, muitas vezes a simples presença já vale mais que qualquer vil metal que tente colocar na mão de alguém. A presença sim, fala muitas vezes pois vem impregnada de lembranças e histórias, o que talvez possa justificar esse gosto esquisito desse menino por engenhos que não funcionam. Isso nos mostra que, não é o simples fato de não mais trabalharem que as coisas ou mesmo as pessoas não possam nos encantar. Mas a presença e o toque, além da história e experiências de vida garantem um certo eufemismo à vida com seus cotidianos amargos e sofridos. A graxa do maquinário ainda impregna a superfície daquilo que um dia colocou o pão na boca de muitas famílias. Mas nem por isso, ocultava o encanto e a magia daquele lugar com ar revelador do passado. Ainda hoje, esse menino se encanta com a simplicidade sem simplificá-las, mormente quando alguns personagens cotidianos vem à tona para tumultuar a paz celestial, eu(Bidião) enalteço ainda mais a beleza que há no simples.
Tive então, o prazer de viver esse menino e por isso empresto a vocês essa liturgia de vida como homilia dominical.

Vão à paz, irmãos!
Por esta leitura do evangelho Bidiônico sejam perdoados todos os pecados!
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui