Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
132 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56587 )
Cartas ( 21127)
Contos (12497)
Cordel (9854)
Crônicas (21845)
Discursos (3121)
Ensaios - (9993)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17725)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137013)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4489)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Não ser flor que se cheire* -- 13/05/2018 - 21:46 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Não ser flor que se cheire*


Essa expressão popular lembra a pessoa pouco recomendável, que não é de confiança. Que, portanto, deve ser evitada. Mas as flores não são os mais lindos seres vivos da natureza? Não nos perfumam a existência? Não são lembranças como demonstração de afeto e amor?


Então quer dizer que há flores repulsivas ao olfato? Sim, há uma, o cravo-de-defunto, que é lindo, mas fede. Falemos dele, de preferência tampando o nariz.


De nome científico "Amorphophallus titanum", é a flor mais mal cheirosa da terra. Também conhecida como flor-cadáver. Chega atingir três metros de altura e pesar 75kg. Antes de desabrochar, praticamente não tem cheiro, mas, quando floresce, libera odor nauseabundo, parecido com o da carne de um cadáver de três dias - que pode ser sentido, pasme, a 800 metros de distância!


Foi descoberta em 1878 nas florestas tropicais de Sumatra, na Indonésia, pelo botânico e explorador Odoardo Beccari. Imagine o horror do cientista: atraído pela beleza da flor, ao se aproximar dela, sentiu-lhe insuportável fedor.


Serve de lição e advertência aos incautos: gente de boa fé pode ser iludida pelo que parece formoso, mas esconde o asqueroso...


* Márcio Cotrim, Revista do Correio, CB, domingo, 06/05/2018, ano 13, nº 677, p. 38.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 86 vezesFale com o autor