Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56470 )
Cartas ( 21122)
Contos (12490)
Cordel (9844)
Crônicas (21810)
Discursos (3123)
Ensaios - (9983)
Erótico (13198)
Frases (41498)
Humor (17697)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136958)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4478)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A porta -- 16/05/2018 - 11:30 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A porta...

Abriu e não havia ninguém. Mas alguém a abriu, e recusou-se a sair. Lá continuava a porta entreaberta à espera daquilo que quisesse entrar, podia ser um pássaro ou talvez um cão, desde que adentrasse. O pássaro sobrevoando, ultrapassou a entrada e continuou a voar por entre os diversos ambientes vazios. Haviam cômodas e mobílias dos mais variados tipos de madeira, e por um breve momento, o pássaro pousou sobre um móvel. Com o movimentar da cabeça leve de consciência, ficou a movimentá-la em varias direções sem o julgamento da área. Sentiu que poderia ali haver um local onde pudesse seu ninho fazer, entretanto viu que um ser humano caminhou em direção à porta para fechá-la, o que provocou uma certa apreensão à pequena ave. Porta fechada, procurou alguma janela entreaberta que favorecesse sua passagem ao exterior para que pudesse coletar material necessário à construção de um ninho. Havia uma janela que estava parcialmente aberta, mas o suficiente para fazê-la alcançar o ambiente externo. Após ultrapassar a janela, deu de cara com um moinho de vento que a dez sucumbir e ao chão, ficou com as asas a bater. O homem que havia fechado a porta, aparecia novamente à frente da casa e avistou a pobre ave ao chão, desesperadamente lutando pela sobrevivência. Pegou-a em suas mãos e a levou para dentro. Cuidou com presteza e carinho, a asa danificado e forneceu-lhe água e alimento. Passado algum tempo, o pássaro recuperou os movimentos alados mas não sentiu vontade de retornar para fora, pois pela primeira vez em toda sua existência, vivenciou a generosidade humana.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui