Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56235 )
Cartas ( 21113)
Contos (12461)
Cordel (9813)
Crônicas (21739)
Discursos (3120)
Ensaios - (9964)
Erótico (13194)
Frases (41305)
Humor (17660)
Infantil (3600)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136769)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1915)
Textos Religiosos/Sermões (4468)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Saudades do Namoro de Antigamente -- 12/06/2018 - 23:51 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Saudades do Namoro de Antigamente
Saudades da época, do Programa Love Songs com o locutor, Rosalmo Vargas, onde você podia mandar cartas com declarações de amor e ninguém lhe processava.
Hoje você não pode dizer que ama Fulano senão vem o próprio Fulano, os amigos dele e as pretendentes do indivíduo querendo lhe processar.
Saudades de um tempo, que mesmo depois de uma idade você podia assumir que era virgem sem correr o risco de parar na cadeia. Pois a Brook Shields, a Britney Spears, a Sandy, a Lizandra Souto e a Angélica diziam que eram donzelas e ninguém fazia críticas negativas.
Saudade de uma fase em que namorar não era sinônimo de sexo porque significava andar de mãos dadas, desabafar segredos, escrever poemas a dois, dormir como o urso de pelúcia imaginando o cheiro do pretendente, ler frases de amor nas embalagens de balas, fazer serenatas e encontrar, com o amado, às escondidas na biblioteca.
Infelizmente, hoje amor não correspondido e modéstia são vistos como crime.
Desde quando os dois precisam se amar para viver um romance?
Há criaturas que amam por dois e isto é divino.
Hoje ninguém sabe o que significa a palavra conquistar. Pois bastar marcar um encontro pelo Tinder e levar um estranho para o motel sem saber o nome.
Saudade de um período em que ser humano era mais alma do que carne.
Luciana do Rocio Mallon


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui