Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56719 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9865)
Crônicas (21896)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41730)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137078)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4524)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->De olho em você* -- 21/07/2018 - 23:27 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
De olho em você*


Há tempos, o dr. Hermenegildo (40), casado, médico capaz e famoso no meio profissional, vinha tentando conquistar auxiliar doméstica, Zita, curvilínea e boa de serviços, a qual ajudava muito sua mulher, dona Simplória, nos trabalhos caseiros.


Nunca dava certo para concretizar as hipotéticas investidas à serviçal, que, ingênua, não as entendia e desejava apenas trabalhar e obter ganho honesto.


Uma tarde sua mulher saiu para ir ao "shopping". Certo de que ela demoraria, ficou todo eufórico... esta é a oportunidade! Não demoraria muito para pôr em prática o plano arquitetado há tempos. Quando Zita passa perto com todo o privilégio que Deus lhe concedera, aproveitou para dizer o seguinte:


- De hoje você não passa!


Sucede, porém, que dona Simplória esquece o cartão de crédito em casa e volta para pegá-lo, já que precisaria dele para efetuar pagamentos.


Ao entrar, silêncio! Chama por Zita, chama por Hermenegildo (a quem chamava de Gildo), e nada! Percorre todo o apartamento e encontra a auxiliar chorando copiosamente em seu quartinho, humilde mas limpo, com TV, e bem conservado.


Ambas tinham bastante afinidade (uma por ser patroa amiga e atenciosa; a outra, por ser correta, trabalhadora e eficiente). Dona Simplória pergunta:


- Por que chora assim? que houve? algum parente faleceu? fala para mim o que ocorre.


Zita, com toda a sinceridade (e pura!) disse:


- O Dr. Hermenegildo assegurou que eu não passo de hoje. Então, ficarei agradecida se a senhora puder me ceder roupa moderna e botas, dar um trato nos meus cabelos, pintar as unhas: essas coisas a que nunca tive direito. Quero ser enterrada bem bonita.


A patroa fica enfurecida e diz-lhe:


- Isso é brincadeira... vou falar com ele!


Procura-o e encontra já saindo para o serviço.


- Gildo, que história é essa de a Zita não passar de hoje? A menina está chorando no seu quarto. Como lhe faz uma afirmação dessa gravidade?


- Eu nem a via hoje. Dá licença, que já estou indo. Há pacientes que me aguardam no consultório.


Finalmente, dos três (Hermenegildo, Simplória e Zita) tão só o primeiro saiu-se bem e continua de olho na secretária. Pensa que algum dia vai concretizar o que pretende, isto é: se Simplória não desconfiar e ele tiver paciência.


Rotina: dona Simplória continua amiga de Zita, e esta - inocente e prestativa - faz o seu trabalho diário.


Até quando? é a dúvida.


* Brasília, DF, 21/07/2018.




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 57 vezesFale com o autor