Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56453 )
Cartas ( 21157)
Contos (12576)
Cordel (9978)
Crônicas (22088)
Discursos (3130)
Ensaios - (8877)
Erótico (13329)
Frases (42885)
Humor (18233)
Infantil (3705)
Infanto Juvenil (2521)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137744)
Redação (2907)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4620)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->MARCAS DO PASSADO -- 12/01/2011 - 02:30 (Ivone Carvalho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
MARCAS DO PASSADO
(Ivone Carvalho)

Não foi por acaso que nossas vidas se cruzaram. E, com certeza, a ocorrência se deu no momento certo, embora não pareça.

Não fosse assim passaríamos despercebidos um ao outro, já que tudo tendia para isso.

Às vezes questiono a imaturidade que prevaleceu em todos os acontecimentos que determinaram tanto o início como o fim. Imaturidade de ambos, apesar das idades que tínhamos.

Justificativas não faltaram. Para nenhum dos dois. Tanto para o início, como para o fim.
Fim? Terá havido realmente um fim?

Fim gera esquecimento, apagamento da memória.

Determina que nada nem ninguém nos remete ao passado ou à pessoa. Implica a retirada total dos pensamentos, do coração, das emoções, dos sentimentos. Inclui a inexistência de saudade, qualquer tipo de saudade, qualquer lembrança. Implica no esquecimento total e irrestrito, irrevogável, inalienável.

Houvesse o fim e eu não estaria aqui, agora, registrando os meus pensamentos, os meus sentimentos, a minha saudade, a minha marca.

Impossível estabelecer a existência de um final quando a nossa mente se depara, não raramente, dispersa, perdida no espaço e no tempo, recordando, salvando os bons momentos dentre os destroços que amarguraram o nosso coração.

Indubitável a continuidade quando nos flagramos saudosos, conversando com as estrelas, com o luar ou apenas com nós mesmos. Ou, pior ainda, quando nos descobrimos dialogando telepaticamente com o ser ausente.

Namastê!

Não há fim quando não houve começo. Tampouco há fim quando laços aparentemente inexplicáveis unem as pessoas. Laços que marcaram momentos, palavras e atitudes intensas, tantas vezes desregradas, injustificadas, incompreendidas, desfocadas de qualquer razão, oriundas tão somente de sentimentos intensos, talvez extremos, que fogem ao racional mas tão compreendidos se observados apenas com a emoção, com o coração, com a alma.

Marcas de um passado recente se comparado à eternidade da vida, mas quem sabe se não corresponde a um passado distante, vivido em outras épocas, em outras vidas.

Afinal, há laços que são eternos...


SP, 11/01/11
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui