Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56453 )
Cartas ( 21157)
Contos (12576)
Cordel (9978)
Crônicas (22088)
Discursos (3130)
Ensaios - (8877)
Erótico (13329)
Frases (42885)
Humor (18233)
Infantil (3705)
Infanto Juvenil (2521)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137744)
Redação (2907)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4620)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->SIMPLES ASSIM! -- 18/01/2011 - 02:58 (Ivone Carvalho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
SIMPLES ASSIM!
(Ivone Carvalho)

Um sorriso, passos rápidos, um abraço. Terno, gostoso, afetuoso. Depois, mais apertado, sentindo o calor que emana do coração. Sincero, profundo, externando o mais puro dos sentimentos.

Então a troca de olhares . Olhos brilhantes que também sorriem. Transmitem a felicidade desse encontro. Cintilam como estrelas numa noite de lua cheia.

E as mãos se tocam. Envolvem-se transferindo para a outra o calor de cada uma delas. Apertam-se. Os dedos se cruzam como nós que atam laços. Laços que unem mais do que mãos, braços, lábios. Laços que unem almas.

O beijo não programado. Ansiado mas não esperado. Apenas flui. Brota do coração depositando-se nos lábios quentes que correspondem com a mesma intensidade e o mesmo amor.

Não há relógio, não há calendário, tampouco se sabe se é noite ou dia. Ninguém por perto mas se houver, que importa?

Não há vozes, senão as dos corações que entoam melodias perceptíveis somente pelos anjos que, sorrindo alegremente, comprazem-se desse momento tão sereno, tão apaixonado e apaixonante, tão singelo, mas tão completo.

Desnecessárias as palavras. Certamente não retratariam os verdadeiros sentimentos.

As palavras, muitas vezes, saem de forma distorcida ou nem são encontradas as que pudessem transmitir o que o coração desejaria falar. Ou podem, ainda, não serem interpretadas de forma precisa. Então, para que falar usando a voz?

O abraço fala por si só. Os olhos não mentem. As mãos retratam o calor e o êxtase do corpo. Os lábios silenciosos permitem que as nossas línguas façam amor.

E, sob as estrelas e o luar percebidos tão somente por nós, independentemente da hora, os nossos corpos selam o imenso amor tão bem guardado para ser externado por inteiro num momento que é só nosso.

Simples, assim!


SP, 17/01/2011


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui