Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
108 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56597 )
Cartas ( 21127)
Contos (12497)
Cordel (9854)
Crônicas (21848)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17726)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4492)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Bilhetagem Eletrônica X Cobradores de Onibus Inesquecíveis -- 05/11/2018 - 12:37 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Bilhetagem Eletrônica X Cobradores de Onibus Inesquecíveis
Há um boato dizendo que querem acabar com as funções de cobradores, nos ônibus e nos tubos de Curitiba, porque desejam colocar a bilhetagem eletrônica.
Isto, com certeza, causará desemprego. Pois vários cobradores perderão suas funções. Isto é horrível, principalmente, nesta época de crise.
Impor a bilhetagem eletrônica não acabará com os assaltos, dentro dos ônibus, como os desavisados pensam. Pois arrastões são realizados até em micro-ônibus, onde não existem mais cobradores.
Sem falar que com ausência de cobradores, nas estações-tubos, o número de vândalos que furam as catracas e destroem o patrimônio público aumentará.
Esta confusão fez minha alma viajar no tempo e me lembrei de cobradores de ônibus inesquecíveis.
Nos anos noventa, havia um cobrador idoso que tinha só a unha do dedo mindinho pintada e comprida. Eu perguntei se aquilo era uma simpatia e o idoso afirmou que sim. Porém, simpatias mesmo eram suas atitudes com as pessoas. Além de ser gentil este ancião, no Natal, se vestia de Papai Noel e dava presentes para as crianças carentes que pegavam o coletivo. Na Páscoa, ele colocava uma tiara com orelhas de coelho e distribuía doces para os pequenos.
Nos anos 80, existia uma cobradora que quando não estava recebendo a passagem, ficava fazendo tricô e crochê sentada em sua cadeira no coletivo. Porém, quando fazia muito frio e esta moça via algum passageiro congelando, logo oferecia alguma blusa que ela tinha feito para a criatura e não cobrava nada por isto. Um dia esqueci meu casaco, em casa, e ela me deu uma blusa de lã que tinha feito durante as viagens de ônibus.
Muitas vezes os cobradores animam os passageiros que estão dentro dos coletivos com seus sorrisos, histórias e atitudes. Um ônibus sem cobrador é um coletivo sem alma.
Luciana do Rocio Mallon


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui