Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56597 )
Cartas ( 21127)
Contos (12497)
Cordel (9854)
Crônicas (21848)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17726)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4492)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Cartão Eletrônico X Cobradores de Onibus Inesquecíveis -- 05/11/2018 - 12:44 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Bilhetagem Eletrônica X Cobradores de Onibus Inesquecíveis
Há um boato dizendo que querem acabar com a função de cobrador, nos ônibus e nos tubos de Curitiba, para colocar o cartão eletrônico no lugar.
Isto, com certeza, causará desemprego. Pois vários cobradores perderão suas funções. Isto é horrível, principalmente, nesta época de crise.
Impor a bilhetagem eletrônica não acabará com os assaltos, dentro dos ônibus, como os desavisados pensam. Pois arrastões são realizados até em micro-ônibus, onde não existem mais cobradores.
Sem falar que com ausência de cobradores, nas estações-tubos, o número de vândalos que furam as catracas e destroem o patrimônio público aumentará.
Esta confusão fez minha alma viajar no tempo e me lembrei de cobradores de ônibus inesquecíveis.
Nos anos noventa, havia um cobrador idoso que tinha só a unha do dedo mindinho pintada e comprida. Eu perguntei se aquilo era uma simpatia e o idoso afirmou que sim. Porém, simpatias mesmo eram suas atitudes com as pessoas. Além de ser gentil este ancião, no Natal, se vestia de Papai Noel e dava presentes para as crianças carentes que pegavam o coletivo. Na Páscoa, ele colocava uma tiara com orelhas de coelho e distribuía doces para os pequenos.
Nos anos 80, existia uma cobradora que quando não estava recebendo a passagem, confeccionava tricô e crochê sentada em sua cadeira no coletivo. Porém, quando fazia muito frio e esta moça via algum passageiro congelando, logo oferecia alguma blusa que ela tinha feito para a criatura e não cobrava nada por isto. Um dia esqueci meu casaco, em casa, e ela me deu uma blusa de lã que confeccionou durante as viagens de ônibus.
Muitas vezes os cobradores animam os passageiros que estão dentro dos coletivos com seus sorrisos, histórias e atitudes. Um ônibus sem cobrador é um coletivo sem alma.
Luciana do Rocio Mallon




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui