Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
120 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56894 )
Cartas ( 21134)
Contos (12535)
Cordel (9881)
Crônicas (21940)
Discursos (3123)
Ensaios - (10029)
Erótico (13216)
Frases (41941)
Humor (17822)
Infantil (3614)
Infanto Juvenil (2347)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137239)
Redação (2891)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4538)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A morte é o gozo da dor... -- 07/11/2018 - 09:11 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A morte é o gozo da dor...

Pois é, aqui estamos passando uma chuvada e a cada chuvisco uma esperança terra. Povo a cada útero na febre da caverna mamãe. Ela, no dom do procriar que a dor brinda a alvorada na água escorrida pelos olhos, o rebento Brasil para uma sociedade humananimal. Cada lar uma história nas manhãs Brasil e lá vai para o dia. Uns com a felicidade de banquetes, enquanto outros, as migalhas de simpatias com restos da burguesia fedida. Nasce com o destino traçado a cada governo, o homem com uma visão à discriminação social. Lá vem um Pastor, um viado e o presidente. Assim canta a atual conjuntura protestante da terra de Santa Cruz das bíblias e invasões ao bem de cada freguesia na Santa do Ó das senhoras amadas na fé a Deus dará. A cada Lalá, um major a te dedurar na formação aulica imposta por um regime fascista no calor de um passado nefasto da quinta a avenida Americanalhizada do capital que é o Deus pastoral dos dólares da fé universal de Dom Macete e seus palácios sustentados por obreiros na barriga da miséria de paletó e manguinhas de fora. Assim dizia a vó Maria do sertão, calça de veludo e bunda de fora...
Enfim, vida e morte no gozo do ser em sofrimento no sentir cada tipo de dor. A cor, vida e dor cada um tem na intensidade a depender da alma enervada ou não. Cada um tem um gozo próprio da dor que lhe cabe tal qual o tamanho da cova. Ora! Viva o gozo vivo ou morto, só não deixe de viver e ser enquanto servir-se dele. Nascemos gozando e aos poucos, o gozo desfalece pelos bares e esquinas na quina da dor de cada qual em seu cada um no major de cada Lalá.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui