Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
105 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57038 )
Cartas ( 21138)
Contos (12550)
Cordel (9897)
Crônicas (21965)
Discursos (3125)
Ensaios - (10063)
Erótico (13239)
Frases (42236)
Humor (17928)
Infantil (3638)
Infanto Juvenil (2392)
Letras de Música (5453)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137392)
Redação (2894)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4545)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Bobeira -- 30/11/2018 - 10:57 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Bobeira





Ahh... tão bom seria muita bobeira! Ao menos, mansa seria a vida dos bobos. Os tolos, ficariam com a tolice de acreditar que existe espaço pra eles. De mendicância vivem os tolos pois assumem um papel geralmente higiênico. Aplicariam seus dons de limpeza sem receberem um centavo.


O tolo não. O bobo usufrui de sua mansidão, observa e aguarda a estreia dos fatos. Não gasta energia desnecessária já que não dispõe e talvez isso explique sua longevidade. O bobo abstrai e dá a entender, total demência. Nada altera sua velocidade de pensamento até porque, tem absoluta certeza de que não tem o controle. Salvo, remotamente. Lava as mãos, mas não enxuga. Toma banho e seca na brisa. Caminha pelas ruas numa observância sonolenta. Se for do seu agrado, ainda experimenta o banco do calçadão da praia para degustar uma água de côco. Gosta do relento sem dar voltas e passeio, só se for pelos pensamentos. É neles que inspira e expira em ato expontânea como se estivesse a dar mergulho no mar para em seguida, emergir. Alcança os peixes mais profundos e com eles, aprende a falar sem nada pronunciar. Então, espalha bolhas de ar simulando um discurso ou uma fala naturalmente falha. Aliás, falha é o que tem de sobra no bobo já que não consegue evitar situações adversas. Por outro lado, aprendeu com os peixinhos a ser mais discreto sem crédito algum na praça, ou melhor, no mar. Vive a sorrir, no entanto as lágrimas que por vezes venham a descer, molham o riso meio que sem graça. A única graça que sente é em inspirar para não pirar.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui