Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
123 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56715 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9864)
Crônicas (21893)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41727)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137078)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Tubulência -- 30/11/2018 - 15:38 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tão temerosa vinha e carregada.
 Que pôs nos corações um grande medo;
bramindo, o negro mar de longe brada,
como se desse em vão nalgum rochedo.
(Camões)
 
 
Camões assim cantava a glória da navegação portuguesa. E, tão eloquente antes quanto agora, permitiu que Fernão visse em sua frente uma parede. Acenderam-se as luzes de alerta e uma voz feminina anunciou: “Senhoras e senhores. Nimbos se aproximam em rota de colisão, por favor,  mantenham a poltrona na vertical e apertem os cintos. Obrigada!” Agora a voz feminina confirmava a suspeita. Era ela! Fernão conhecia muito bem quando Vannini estava nervosa. Aproximadamente, cinco minutos depois, ela anuncia novamente: “Senhoras e senhores,  por favor, mantenham a calma. Preparem-se para um possível pouso de emergência.Utilizem os assentos flutuantes. Obrigada!”
Os passageiros estavam com a cabeça sobre os joelhos e os tripulantes, pareciam compenetrados demais, vasculhando  procedimentos de segurança. Fernão sabia como abrir a porta de emergência situada nas proximidades de sua poltrona. Levantou-se. As pernas tremiam e o coração queria saltar do peito. Assentou-se. Deixou que se passassem alguns segundos... Abriu o terno, conferiu o colete, retirou o paletó e afrouxou os sapatos. Queria ter penas de gaivota na cabeça, nas asas... Queria voar!  Ele era um Fernão como diziam os colegas de escola. Sim!...Era Fernão um náufrago em potencial. Não havia jeito! Titanic se partiria no choque contra um iceberg. E se sentia como que acorrentado no porão de um navio negreiro. Superaria seus limites como uma gaivota voando a uma velocidade impossível para sua espécie ou se espatifaria em um paredão de água dura como concreto.
Cenas do Armageddon desfilavam em sua mente: viu sete anjos e sete candelabros em volta de suntuoso trono. No meio dos candelabros, alguém semelhante ao Filho do homem, dizia “É chegada a hora! Escreve, pois, o que viste, tanto as coisas atuais como as futuras”. O primeiro anjo tocou. Saraivada de fogo  percorreu o interior  da nave. O anjo abriu o sétimo selo e em vez de silêncio, ouviam-se gritos, alaridos e pedido de socorro. Muitos fizeram o que não podia ser feito: levantaram-se, tentaram arrumar a bagagem que caia sobre suas cabeças e foram atirados contra a fuselagem. Fernão viu-se sentado a uma mesa no panteão da memória com o livro da vida aberto no regaço. Diante de seus olhos páginas amarrotadas e o rascunho de sua vida que esperava ser reescrito.  Pesava-lhe a dor de ver tantas páginas em branco...  Quanta vez deixou de dizer à pessoa amada “Eu te amo!” Quanta vez virara o rosto para Vannini, e maculara sua pureza com infâmias e desdéns!... Quanta vez Talita dera a ele a oportunidade de refazer a própria história e as páginas permaneciam em branco!... Desejou abraçar Vannini e sentiu-se na pele de Melenau viajando no mesmo barco com Páris.
Casados que há tempos não conversavam, mantinham agora as cabeças coladinhas uma à outra e balbuciavam alguma coisa ininteligível. Irmã Paola tentou debulhar um terço em voz alta e não conseguiu. No meio do corredor, um homem ergueu a voz: “Sou PASTOR!” E traçou com as duas mãos no ar o sinal da cruz, dizendo: “Pelo poder que me concede a Santa Madre Igreja, eu perdoou todos os vossos pecados inconfessos, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. Alguns responderam: “AMÉM!” Ninivitas creram e balbuciaram palavras quase inaudíveis,outros, apenas moviam os lábios como se falassem a língua dos anjos. Por um instante, fez-se silêncio no céu. Em êxtase, Fernão entrou na cena de seu batismo, viu os pais e padrinhos na Igreja da Consolação. Viu uma pia com água e pessoas da comunidade que acendiam velas no Círio Pascal. Com um crucifixo no peito e outro bem maior na mão o sacerdote ungia-lhe a testa e o peito com o óleo dos catecúmenos. Viu ainda um animal asqueroso levantar-se do mar. A Fera tinha dez chifres, sete cabeças e muito poder sobre a Terra. A fera queria apagar a vela que os cristãos acenderam para Deus, lançando espessa fumaça na mente daqueles que vacilavam na fé. A mãe traçou uma cruz na testa do filho. Houve uma explosão que só o menino ouviu e chorou. O animal desapareceu numa nuvem de fumaça negra. Fernão viu também Moisés no monte Nebo jogar seu manto para Josué, dizendo-lhe: “O que está oculto pertence ao Senhor, nosso Deus; o que foi revelado é para nós e para nossos filhos. Nada temas. O Senhor mesmo marchará diante de ti, e estará contigo”. Passou em seguida o manto para Josué e Josué passou o manto sobre a cabeça do menino. Veio uma nuvem luminosa e o envolveu. Extático, Fernão desprendeu-se do sobrenatural e lentamente, retornava ao mundo dos mortais. Não muito bem desenhadas, traçou uma cruz na testa, uma na boca e outra no peito.  Objetos, poltronas e bagagens voavam em todas as direções e se chocavam, ora contra a fuselagem, ora contra os passageiros e tripulantes. Gravemente ferido, o corpo do Pastor estava estendido, a fio comprido, no corredor da aeronave.
—Tem algum médico a bordo? — perguntou a chefe dos comissários.
 André Albuquerque conseguiu, com dificuldade, pegar sua maleta. Em seguida, a doutora, Tânia Piccininitambém apanhou a dela. Os dois caíram inertes. Algum metal pesado os atingiu e suas maletas foram sugadas pela janela quebrada. Também foram sugados muitos passageiros e lançados para fora da nave. Vannini evitou o choque com um notebook que passava voando. Abaixou-se e sentou pensativa numa poltrona ao lado de uma velhinha morta. Arrependeu-se de ter avisado a Hemor que Fernão estava a bordo. “E se ao invés de desviar dos nimbos, o piloto resolveu entrar em rota de colisão com eles? Fernão é “esquizo”. Hemor também. E se Fernão invadir a cabine de comando? Se os dois entrarem em luta corporal...”
 Levantou-se segurando firme em uma e outra poltrona.  Ainda sentado Fernão estava. Ela assentou-se juntinho dele e estendeu-lhe a mão. “Que seja eterno enquanto dure!” Pensou ele, entregando-lhe o bilhete guardado há anos, com anotações recentes.
—Leia o verso — disse ele.
Vannini leu em silêncio e ouviu os gritos do coração.
— Vai dar certo, disse ela.
Colocou o bilhete em um dos bolsos do uniforme e  voltou para a cabine pensando em sua história, sua vida com Fernão.


http://www.textoregistrado.com.br/images/logo.jpg
 
 
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 30/11/2018
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui