Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
113 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56899 )
Cartas ( 21134)
Contos (12535)
Cordel (9881)
Crônicas (21940)
Discursos (3124)
Ensaios - (10030)
Erótico (13216)
Frases (41951)
Humor (17826)
Infantil (3614)
Infanto Juvenil (2347)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137242)
Redação (2891)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4538)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Elegância no desconvite -- 06/01/2019 - 05:47 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Recentemente, numa posse presidencial, dia de alegria compartilhada e de renovação de esperanças, vivenciamos episódios feios e desconfortantes que empanaram o brilho da festa, com troca de farpas e até mesmo acusações pesadas que abalaram a noção da solidariedade continental com que tanto sonharam nossos libertários de antanho, e até de outro dia mesmo...

E não faz muito, nem mito, já havíamos tido o papelão ridículo de uma auto-proclamada Presidenta, recusar-se a receber em Palácio, as credenciais de um Embaixador estrangeiro - já previamente acreditado pelo próprio governo de seu país, maculando a diplomacia nacional...e a seu Chanceler que tentara persuadi-la a seguir o protocolo de Convenção internacional, simplesmente mandou-o a Mérida...ou mais além...

Mal sabe essa gente ilustre e imponente das boas práticas de outrora como quando por exemplo você estava à janela dando uma pitada e apreciando o cair da tarde, algum passante, que lhe tirara o chapéu em saudação e se retivera num papo agradável, você, num dado momento, convidava para entrar, ou apear, e tomar um cafezinho e a resposta fosse aquele imediato e ameno, ..."...uma outra hora", seguido duma troca de fica e vai com Deus, deixavam estampadas as regras da cordialidade e do bom convívio, mesmo sem nem o cheirinho de um bom café com queijo...e a visão da formosura da patroa que bem valia o mais recôndito desejo...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 23Exibido 9 vezesFale com o autor