Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
44 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56594 )
Cartas ( 21157)
Contos (12595)
Cordel (9988)
Crônicas (22114)
Discursos (3130)
Ensaios - (8904)
Erótico (13337)
Frases (43011)
Humor (18284)
Infantil (3717)
Infanto Juvenil (2551)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137837)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4641)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->UM CASO PARA SER RESOLVIDO ENTRE AMIGOS -- 14/05/2019 - 13:11 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

UM CASO PARA SER RESOLVIDO ENTRE AMIGOS

Um desses cidadãos que se preocupa com o modo de viver das pessoas de sua comunidade foi visitar seu melhor amigo e, em chegando lá, ficou muito preocupado com o que viu.

Muito desolado, disse que foi triste contemplar o semblante apático daquele cidadão de comportamento familiar exemplar, que sempre trilhou pelos caminhos dos bons costumes, sentado naquela cadeira de balanço, sem mais nada para fazer, apenas e tão-somente cuidando daquelas malas cheias de dinheiro de outro amigo que lhe pediu para guardar em seus aposentos.

De acordo com seu modo filantrópico de ver a vida, ele disse que não seria justo ver aquele camarada seu, amigo de longa data, naquele estado de tensão a que estava sendo submetido e ficar ali, inerte, sem fazer algo que pudesse ajudá-lo naquele momento inusitado de sua vida.

Sua preocupação e efetiva vontade de ajudar ao próximo e resolver, de pronto, aquela situação desesperadora de seu amigo viria a se confirmar com o que ele ouviria em seguida de seu confrade anfitrião:

- Não sei mais o que fazer com isso, porque faz um mês que esse nosso amigo está sem dar notícias. Ligo para os telefones dele e sempre cai na caixa postal - confidenciou , meio ansioso.

O confrade visitante, agora ainda mais preocupado que antes em razão daquela situação atípica na vida de seu parceiro de partido, o abraçou por alguns segundos e se propôs a ajudá-lo; ato contínuo, recolheu as malas e as acolheu no bagageiro de seu carro conversível e saiu depressa sem dizer para onde iria, aliviando, assim, o estado de tensão de seu confrade.

A esposa do confrade anfitrião acha que o confrade visitante estava a mando do dono da grana emalada, já o filho primogênito do casal, o mais desconfiado da família, jura de mãos postas e pés juntos que seu pai caiu no golpe aplicado pelo amigo de coração generoso.

E agora? Será que o guardador da grana que estava nas malas que acabaram de ser recolhidas por um amigo do amigo do amigo dele, se esforçará para localizar o real paradeiro do dono dela e contará sua versão para justificar a ocorrência desse fato novo?

Será que ele, por precaução, irá providenciar um Boletim de Ocorrências para registrar o episódio, ou sem outra alternativa sumirá em definitivo de sua comunidade com toda a família?



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 15Exibido 102 vezesFale com o autor