Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
44 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56745 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22137)
Discursos (3131)
Ensaios - (8939)
Erótico (13379)
Frases (43224)
Humor (18342)
Infantil (3740)
Infanto Juvenil (2603)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4731)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Lilás -- 29/05/2019 - 17:00 (flavio gimenez) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Movimento contínuo, gente entrando, gente saindo, a moça de pé, grudada a um pedaço de metal, rezando a missa, o pai-nosso-de cada dia, ela reza a missa que aprende no evangelho de hoje, “Princípios de Contabilidade Aplicada”. Eu digo que ela reza porque ela lê, frase por frase, aquilo que tenta aprender a duros passos. Ela reza o credo dos dias de hoje, o dinheiro e a espécie, o capital e a relação desordenada, o olhar comprido e o quanto mais valho da mais-valia e do menor valor de mercado desta merda toda de estar empilhado numa lata de sardinha de pé com um malandro atrás olhando os cabelos e a continuidade dos revoltos pelos flambados pelo frio vento do metrô.

--Próxima parada, Ana Rosa.
-- “Calculemos o lucro pela perda dos meios de produção em milésimos de centavos pela multiplicação do esforço coletivo de ganhar e perder...”
--Pessoal, um minuto de sua atenção...
--“E o lucro se gera sobre o trabalho da multidão esfaimada que vende seu sangue na arena do estrangeiro”
--...Do bom. Vejam, duas por cinco reais, é de levar. Vai aí, moça bonita?

Rostos cabisbaixos, enfiados nos telefones de alguém, mais luminosos em olhos baços, músicas estridentes distraindo consciências cansadas e corpos suados de cidadãos sem esquina nem sepultura, cães de aluguel, meninas sabidas, velhos entregues e mulheres trabalhadoras, estudantes mochileiros e velhacos como eu... Silêncio onde antes berravam, calaram o pregador da vez, a Palavra se tornou vergonha, o medo traz a fome que move músculos que faz idéias sumirem como estrelas engolfadas.

Triste o cemitério das palavras do vagão da tarde no metrô da linha lilás.

--“Todo lucro gerado pelo trabalho deve ser contabilizado, contado, multiplicado e dividido pela soma das partes do todo que em partes estão impermanentes como sua cabeça estudando isto aqui, que é você multiplicada nas páginas que a enlouquecerão de vez ao terminar a leitura disso que absorve sua atenção...”

--Próxima parada, Estação Klabin. Desembarque pelo lado direito do trem, atenção com os vãos e com os camundongos nos trilhos,qualquer abuso deve ser comunicado, se vir alguma coisa de que suspeite ligue ao SAM, serviço de apoio à Mulher, coisa e tal.

Movimento contínuo. Cada vez mais se ouve menos, o barulho ensurdece, a música acontece, as palavras estanques, tenho vontade de voar no pescoço do cara que diz as mensagens em inglês, tenho a sensação de que sobrei aqui, meus joelhos não obedecem, quero sair e não posso, porque nunca segui a cartilha nem Evangelho, não creio em Nada, nem no Ser nem no Ente, sei que o mundo está doente, isso sim; para uma moça ler “Princípios de Contabilidade Aplicada” em voz alta aqui é porque não valemos muito mais do que o muito menos.

Vou parar por aqui porque...

--Próxima Estação, Campo Belo, favor descer pelo lucro mais perto.
-- “Amem”
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 5Exibido 27 vezesFale com o autor