Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56827 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10012)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8955)
Erótico (13388)
Frases (43348)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138025)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4766)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Maçã do Paraíso -- 06/06/2019 - 19:30 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


 
A fazenda  Lambari se levanta alvissareira. O cheiro do café coado se espalha pela casa. Sobre a mesa, o  queijo-de-minas, e café no bule acompanham o leite in natura. Lá fora, os animais arreados, trocam de pé, enquanto a caravana faz o desjejum. Ninguém quer montar o burro Xerém. Preso pelo cabresto ao poste da cerca de arame, o burro espera, cochilando, mas ninguém quer passar o vexame de ir montado em Xerém. O passo dele é duro, mói as carnes, mas tem pé firme no pedregulho.  É seguro viajar no lombo de burro. A égua Leopoldina, ensoberbada, levanta a perna   e com   orgulho, zomba de Xerém: "Vamos ver quem escolhe quem."

Mal surge medroso os primeiros raios do dia, a cavalgada parte para  acampar às margens do rio Congonhas.  Na estrada, o cheiro da mata verde restaura o vigor da alma. Os cascos dos cavalos, passo a passo, marcam o  compasso da jornada. A alma viaja léguas,  açoitada pela brisa filtrada pelo verde da mata. Burro Xerém ergue as orelhas, na direção de um grilo que canta seu  canto de morte. Quase fora esmagado pela pata de uma onça que passara  antes da madrugada. Cavalos e cavaleiros  avançam, ainda com luz  acanhada do dia. A montaria é toda descansada. Mas os cavaleiros... Nem todos dominam as rédeas. Carlos Alberto Maia esparralha seus 120 quilos no lombo de Xerém, depois de dirigir horas pela estrada carroçável, levando a trabalha: barracas, mantimento e bebida.

 O sol tece o caminho, com uma luz rendilhada entre os galhos. Desfaz o orvalho, enchendo  o  ar  com o cheiro de malva santa. Os cavaleiros  mais afoitos vão à frente, exibindo vigor que não têm. Vencem as horas por léguas a fio, contadas no ranger da cela.  Nenhuma vela acendem aos mortos guardados  no campo santo de Sete Passagens. Descem, afrouxam os arreios e bebem cerveja. Conferem os freios, estribos e cilhas. E deixam uma trilha de comida para as raposas: farelos de pão e ossos  de galinha assada.

Arribaram.

Maia  que trocara o volante da caminhonete, pelas rédeas de um burro, já não é tão eficiente e audaz quanto ao volante.  Devagar,  vai rompendo estrada, preguiçosamente, no lombo duro do burro. Xerém sopra ofegante com o peso carregado sobre as costas: um fardo pesado de massa muscular e pecado. O suor escorre, desce salgando a pele e lava os rasgos de espora no vazio do animal. A cilha afrouxa. O burro abre as ventas. Sopra, e dois furos, renovam o oxigênio, dando-lhe  novo ar de vida . Também devagar vão mais dois cavaleiros, atravessados no selim da montaria. Aquele que perdera a carteira de carregar dinheiro distribui  o peso do corpo entre as duas pernas curvadas no loro. Depois, enrijece estica uma delas e descansa a outra. Firma o pé esquerdo no estribo, e relaxava o direito... ou  firmava o pé direito e relaxa o esquerdo. Descansa um pé cansando o outro; repete com frequência o movimento. Com efeito,  obtém bom  resultado: diminui  a pressão sobre a bacia,  e alivia   a dor das hemorroidas. E nesse movimento, o que Xerém sentia era que o ato de pender  de um para  outro lado o desequilibrava, tirando-o do compasso e da pisada dos cavaleiros adiantados. Competia ao Maia levar toda a tralha. Mas Monique não suportando mais a palha em que se transformaram suas pernas, propõe troca. Maia se consterna e pega a rédea. Xerém é andador, mas é duro. É um muro de parede. Não tem mola nem molejo para andar.

Dílson Júnior tira duas maçãs do alforje e oferece uma delas a Monique. Os dois mordem ao mesmo tempo, cada um sua maçã argentina. E o estalido assemelha-se ao barulho de carne arrancada de uma presa viva.

-- Seria este o significado da simbologia da maçã? Comer carne  foi o pecado de Adão?
Lera muitos livros e nenhum deles revelava qual teria sido o pecado original. No máximo informavam:  desobediência... mas desobediência a qual preceito? A respeito, ninguém  afirmava,  taxativamente, apenas apontava uma seta: ‘Orgulho, desejo de ser Deus.’

Que tem a ver isto com a
cavalgada? Por certo, nada!  Mas, para
que narrar a volta. Ela se deu pelo mesmo caminho de ida. A vida também é
assim:  o que foi um dia será novamente,
e a gente nem sente que tudo tem efeito bumerangue. Enfim, tudo que sobe, desce. Até a
prece elevada ao céu, volta em forma de bênção.



 



 ***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 06/06/2019
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 23 vezesFale com o autor