Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
96 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54717 )
Cartas ( 21051)
Contos (12071)
Cordel (9440)
Crônicas (21012)
Discursos (3106)
Ensaios - (9890)
Erótico (13106)
Frases (39732)
Humor (17538)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135400)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4159)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->COMO DAR UM FORA ( 29 ) -- 20/12/2010 - 13:03 (ANGELA FARIA DE PAULA LIMA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
COMO DAR UM “FORA”...

Namorar é muito bom!... Difícil, é acabar um namoro, ainda mais quando não existe nenhum motivo aparente, além da falta de tesão mesmo! Como explicar ao outro, sem ferir-lhe a suscetibilidade? É... Pois existe uma ética até para terminar um namoro. Nunca se sabe o futuro. E se amanhã baixar um arrependimento? E se mais tarde nos virmos dependentes daquela pessoa em qualquer outra situação? Não podemos simplesmente fechar a porta e deixar que o outro se dane. Só mesmo em casos graves se justifica uma ação intempestiva. Assim mesmo...

Foi o que aconteceu com meu irmão mais velho, quando namorava uma menina bonita, de boa estirpe, conhecida da nossa família e a quem, por isso mesmo, não deveria magoar. Mas não havia dado “pega” mesmo! Embora soubesse que ela estava apaixonada, ele não havia sentido a mesma atração! Estava “apertado” sem saber como resolver...


Devia ter de uns dezoito anos, e era um rapaz muito bonito. Quem o conheceu e tiver boa memória, por certo irá ratificar o que lhes conto. Estava no auge da popularidade, bem ao estilo da época, com aquele topete a Elvis Presley, boca carnuda e sensual, ciente e seguro do fascínio que exercia sobre as garotas. Portanto, não podia perder tempo!... A fila tinha que andar!...

Já havia tentado tudo para ver se ela desistia: dava “o bolo” nos encontros, atrasava, chegava mal vestido, dava desculpas para abreviar a conversa, e nada!... A paixão que ela sentia a fazia ignorar quaisquer detalhes!...

Já desesperado, tentou uma última “cartada” para ver-se livre do incômodo sem deixar vestígios de seu desinteresse... Foi quando, ao se encontrar com ela na Praça Central da cidade, convidou-a para sentarem em um banco do jardim. Lá pelas tantas, no meio de uma conversa, ele grunhiu algo ininteligível, rapidamente e em voz baixa. Qualquer coisa do tipo:
- Smvnfiromjinfkfoh;j.,shfun,gg;.lshfk!

E ela:
- O que foi que disse?

E ele:
- Dldoeiaysnfgp;hldkjueifkajdfhglohy;!

E ela:
-O quê? Não estou entendendo nada!...

No que ele imediatamente levantou, respondendo firmemente:
-Olha... Não vai dar mesmo... É melhor pararmos por aqui! Você...

NEM AO MENOS PRESTA ATENÇÃO NO QUE DIGO!...

E dizendo isso, “dispensou” a moça!...
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 61Exibido 389 vezesFale com o autor