Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
104 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54717 )
Cartas ( 21051)
Contos (12071)
Cordel (9440)
Crônicas (21012)
Discursos (3106)
Ensaios - (9890)
Erótico (13106)
Frases (39732)
Humor (17538)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135400)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4159)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Obsessor no bar de Vitor Rebelo -- 27/04/2013 - 17:14 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA (marceloosouzasom@hotmail.com) zap 71-992510196) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Obsessor no bar - Experiência fora do corpo

Anos atrás, quando eu era mais jovem, costumava ir a um bar noturno para ouvir o pessoal tocar blues e rock. Fiz amizade com os músicos e comecei aprender a tocar gaita e cantar blues. Foi uma forma de diversão e expressão artística que vivenciei por poucos meses, mas com bastante intensidade durante essa época da minha vida.

Quase todas as noites, de tanto tentar cantar e tocar blues, ao fechar os olhos, deitado em minha cama, começava a escutar melodias maravilhosas. Foi uma época legal, de muita criatividade, mas também de alguns desequilíbrios. Infelizmente, naquele ambiente, o excesso de emanações alcoólicas, de fumaça de cigarro, além da presença, nos “bastidores”, de certas drogas, demonstrava que a atmosfera psico-espiritual era bastante perturbadora. Isso não significa que o rock, o blues ou um barzinho sejam sinônimos de desequilíbrio. Tudo vai depender das atitudes das pessoas que frequentam determinado ambiente...

Certa noite, já de madrugada, me vi projetado fora do corpo na porta do bar e logo percebi o que estava ocorrendo. Próximo à entrada havia um grupo de espíritos, alguns desencarnados e outros temporariamente projetados fora do corpo, como eu. Fui me aproximando e, então, vi um espírito, com a aparência de uns vinte e cinco anos, que me chamou a atenção. Ele tinha barba e óculos. Talvez inspirado por algum dos meus amparadores espirituais, cheguei perto dele. Quando ele me viu, fui logo reclamando: - Você é um espírito obsessor! Está perturbando a gente!

Ele continuou na dele, sem dizer nada, apenas me encarando. Então continuei:

- Por que você faz isso? Por que está fazendo a turma beber até “encher a cara”?

Para meu espanto, ele me respondeu com a maior naturalidade:

- Pare de ser hipócrita! Não sou eu que faço o pessoal beber e fumar! Eles bebem e fumam porque querem, eu apenas “curto” junto... dou uma forcinha!

Foi aí que “caiu a ficha” e percebi o quanto eu estava sendo infantil. É claro que todos somos responsáveis pelos nossos atos, não podemos responsabilizar os outros por isso. Temos que parar com esse “papo” de espírito obsessor. Então perguntei:

- E como você faz isso?

- É simples! Quando alguém fuma, por exemplo, chego bem perto da pessoa, como que abraçando ela, e aspiro a fumaça ao mesmo tempo.

Enquanto explicava, foi demonstrando na prática, em um rapaz que estava à nossa frente. A impressão que tive, quando ele aspirou a fumaça, é que o perispírito dele se justapôs ao do jovem fumava naquele momento, quase que “colando” nele.

Após esta curta conversa, voltei ao corpo físico, deitado na cama, e despertei. Rememorei bem o que ocorreu para não esquecer mais e, após uma prece de agradecimento pela lição recebida, adormeci.

Dias após este fato, parei de frequentar este bar. Ele mudou muito, não está como antes. Acho que ninguém mais toca blues lá, infelizmente... Mas a lição que aprendi me marcou profundamente.

Quantas vezes, numa atitude imatura, culpamos os outros pelos nossos fracassos? Quantos de nós não criamos obsessores imaginários para os responsabilizarmos por nossos vícios?

Quando se fala em obsessor, logo vem à mente a imagem de um ser diabólico, malvado. Aquele espírito, que não era exatamente um obsessor, mas um coparticipante dos desequilíbrios alheios, era muito inteligente e culto. Um artista e intelectual, só que desencarnado.

Precisamos nos libertar dos preconceitos e perceber que um espírito só pode nos induzir a fazermos algo se dermos abertura mental, ou seja, se o “mal” já existe dentro de nós.

Só assim amadureceremos e assumiremos a direção do barco da nossa vida, não permitindo que ele se afunde nos momentos de tempestade.

Paz e luz!

PROGRAMA MÚSICA E MENSAGEM
TEMA DO DIA 27 DE ABRIL: CURSO DE AUTOCURA BIOENERGÉTICA - PROGRAMA 1 - INTRODUÇÃO
Vou inaugurar hoje uma série de programas sobre equilíbrio e autocura energética.
Hoje será uma apresentação do curso e FAREMOS UMA VIVÊNCIA!!

Horário: das 16h-16h30
95,7 fm de São Paulo ou pelo site da Revista Cristã de Espiritismo. Link direto:
http://www.rcespiritismo.com.br/index.php?option=com_content&view=category&id=139%3Aprograma-musica-e-mensagem&Itemid=64&layout=default

Paz e luz!
Victor Rebelo

***************************************************************

Eu sempre comento sobre isso, até mesmo o fato de uma pessoa beber e oferecer ao "santo" ou alguma entidade, tem essa motivação.

Marcelo de Oliveira Souza
 

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui