Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
53 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56719 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9865)
Crônicas (21896)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41730)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137078)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4524)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Professor Jobim* -- 22/09/2018 - 08:50 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Professor Jobim*


Oi, Dr. Napoleão, bom dia e bom fim de semana!


Encaminho modesta lembrança do meu inesquecível professor Jobim. Graças a Deus, tive o privilégio de depois entregar pessoalmente os escritos. Foi uma tarde muito linda, conversamos (e lógico, eu ouvia mais para aprender mais!) e a sua esposa estava presente.




Com estima e abraços

Benedito




Romeu Jobim (desembargador)*

Caríssimo professor Jobim: forneceu-me o endereço eletrônico a Rosângela, secretária da ANE.

Primeiramente, passados alguns anos, tenho o dever de apresentar-me. Sou o Benedito Pereira da Costa, seu aluno na CASEB, na década de 1960. Guardo muitas recordações das suas aulas, que eram maravilhosas e esperadas (se pudesse, eu as teria todos os dias da semana).

O senhor concedeu-me a honra de prefaciar o meu livro de sonetos Magia.

Em casa, à noite, ontem, vi na página 10 do Jornal da ANE o terno poema Estelinha. Tocou-me tanto (e espero que sensibilize a todos) , que o inseri no site Usina de Letras, em Poesias. Ficou assim (se desejar alguma alteração, mande-a, por favor):

Estelinha*


Romeu Jobim*


Estelinha era a dona
de olhos verde-azulados,
da cor das matas e do céu...


Menino de sua idade,
mas já metido a poeta,
assim falava e, também,
que, quando crescessem,
e se casassem, teriam
um monte de estrelinhas,
da cor dos olhos dela.


O menino partiu, nunca
mais vendo Estelinha.
Homem feito, noutras terras,
teve muitas namoradas,
- nenhuma das quais, no entanto,
com os olhos verde-azulados,
da cor das matas e do céu...


* Romeu Barbosa Jobim, pioneiro de Brasília, desembargador, poeta, escritor, meu professor de português há mais de 50 anos (Jornal da ANE, agosto/setembro-2014, p. 10).

Vou ficando por aqui e registro mais uma vez o meu encantamento por tão lindo e sentimental poema. Parabéns, professor!

Com a estima e o abraço do
Benedito

* Brasília, DF, 30/09/2014.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 105 vezesFale com o autor