Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
28 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57175 )
Cartas ( 21140)
Contos (12558)
Cordel (9909)
Crônicas (21999)
Discursos (3127)
Ensaios - (10105)
Erótico (13288)
Frases (42437)
Humor (18036)
Infantil (3664)
Infanto Juvenil (2428)
Letras de Música (5460)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137473)
Redação (2895)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4569)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Natal 24/12/2018* -- 25/12/2018 - 23:31 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Natal 24/12/2018*


Obrigado, Dr. Adriano! Feliz terça-feira junto de todos! Feliz 25/12/2018!

A Propósito, ontem vivi momento de descontração. Permita-me tomar um pouco do seu tempo para sintetizá-lo.

Minha mulher havia deixado algumas compras no carro, na garagem. Prontifiquei-me pegá-las. Só que ela não disse nada. Continuo as atividades que desenvolvia. Passados alguns minutos, quando eu nem pensava mais naquilo, ela - toda arrumada (e isso é louvável!) - chega pra mim e diz:

- Vamos pegar as compras.

Dr. Adriano, eu estava de sandália, com bermuda caseira e camisa comum. Fui calçar o tênis, trocar-me (não gosto de aparecer no elevador de modo desleixado) e passar colônia suave. Foi o bastante pra se aborrecer comigo (no bom sentido, é claro):

- Não precisa mais, vou só.

Por minha vez, não fui. Achei o cúmulo não poder esperar 3 minutos. Depois, tudo resolvido. Era Natal. Não o poderia passar descontente.

Mas, amigo, tenho convicção: não é por ser idoso que vou apresentar-me de qualquer jeito, ainda que seja no elevador e na garagem do prédio em que resido. Faço questão de vestir-me razoavelmente e usar perfume suave. Sabe, querido: quando menos se espera, há um encontro e nós podemos nos constranger. Sempre que possível e com ar alegre, cumprimento os vizinhos. Outro item de que não gosto: fazer as coisas desesperadamente, sem poder aguardar uns minutos. Lógico, depende do momento: se tiver socorrer alguém, muda a figura.

Desculpe-me, alonguei o assunto. Felizmente, não passou de apenas modo diverso de encarar os obstáculos: minha mulher pensou que eu deveria sair como me encontrava; eu não faço isso, só se for muito necessário.

Assim, julgo que não sou velho ranzinza. Apenas cuido de mim e dos meus. Que acha o senhor?

Deus o proteja!

Com a estima e o abraço do
Benedito
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 70 vezesFale com o autor