Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56299 )
Cartas ( 21150)
Contos (12562)
Cordel (9930)
Crônicas (22048)
Discursos (3130)
Ensaios - (9088)
Erótico (13314)
Frases (42731)
Humor (18163)
Infantil (3686)
Infanto Juvenil (2480)
Letras de Música (5460)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137613)
Redação (2901)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4588)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil--> -- 04/01/2006 - 11:54 (José Ronald Cavalcante Soares) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Ronald Neto tem apenas quatro anos. Para ele, é óbvio, a idéia de morte é algo ainda impreciso, alguma coisa misturada com o céu, que ele nem sabe propriamente do que se trata, pois colhe informações vagas fornecidas pelos adultos e que, naturalmente, não podem ainda configurar um conceito firme e concreto.
Estávamos, nós dois, na agência da Caixa que funciona no prédio do Tribunal do Trabalho e, quando já íamos saindo, eis que aparece o Cícero, que funciona no Forum. Ao vê-lo, exclamei: Olá, Cícero, há quanto tempo!
Escutando o nome do bisavô, Ronald Neto indagou de imediato:
Cícero, tu é meu bivô que voltou do céu? Tu "dismorreu" ?
Cícero, desconcertado, riu amarelo e disse:
Não, filho, eu nunca morri.
Creio que Ronald Neto não entendeu nada daquela história do "dismorrer".

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui