Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55340 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9607)
Crônicas (21338)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13147)
Frases (40252)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135959)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->Sete lapadas com vergalho de boi -- 09/08/2017 - 19:09 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

III

 

Silêncio...Ciscado de galinhas.... Silêncio.

 Uma porteira. Mais porteira. Os currais.

Vultos de vacas, debandando...

(Guimarães Rosa)

 

O sol não tinha botado o olho de fora, quando deu pela falta do menino. Ele já era rapaz, mas para a mãe, continuava sendo ‘meu menino.’  Nhá Santa deixou o dia acabar de amanhecer, e seguiu as pegadas: um par de alpargatas rotas, passaram por ali, antes de cantar o galo. Não podia fazer muita  coisa àquela hora. O dono do rastro, devia estar longe! Filho ingrato!   Órfão de pai matado na festa da padroeira, e de mãe morrida no parto. O menino escapou. Onofre não atendeu ao chamado, quando a  morte rondou seus  primeiros dias de vida, pois uma cabra parida, o socorreu com leite.

Nhá    morava de favor num casebre, como agregada do Capitão Dolmênico. Tentou vender ao patrão a cabra, meia dúzia de galinha e uma porca sem cria, mas, de nada valeu seu argumento:

— Os bichinhos já estão acostumados aqui, capitão...

— Não compro por preço nenhum!

Vendeu no Pau d’Óleo, por alguns vinténs de cobre e pegou a estrada carroçável, sem saber para aonde ir. Talvez n’alguma fazenda, encontrasse pistas do filho.

— Bom-dia doutor!

— Bom-dia. A que devo a honra de receber uma visita nas primeiras horas da manhã?

— Sou Onofre do Borá.

— Não é tão longe. Conheces o Capitão Dolmênico?

— Trabalhei para o capitão Dólmen até ontem.

— Qual foi a desavença?

— Com ele, nenhuma! Mas desentendi com minha mãe de criação.

— Deves procurar um padre. Aqui não tem confessionário.

— Não é coisa de rir, doutor.  Viajei pedaço de noite, pra chegar até aqui.  Não tenho pai, nem mãe.  Aprendi a arte de vaqueiro com um tio na fazenda do Capitão Dólmen. Já me acho na idade de tomar rumo na vida. Tenho dezessete anos!

— Desentendeu também com seu tio?

— Meu tio morreu, faz anos! Era marido de Nhá Santa. Nhá acabou de me criar. Mas ontem, levei sete lapadas de relho ensebado. E fugi de casa. Aguento isso mais não, seu Generoso.  Já sou homem pra enfrentar a vida. Qualquer serviço me serve.

O fazendeiro virou o rosto, para esconder uma ameaça de riso: ‘sete lapadas de relho ensebado,’ apresentadas como argumento, numa entrevista de emprego!...Nunca zombara da desgraça alheia, mas naquela hora, podia ser que não conseguisse se controlar. O sorriso se desfez. No ano de 1932, ele mesmo tinha levado sete chibatadas com vergalho de touro.

— Amanhã, você escolhe um cavalo e os arreios. Temos uma rês  debandada. Agora, vá descansar com os outros vaqueiros. Tomar intimidade com a fazenda. O almoço é às dez. 

***

Adalberto Lima, fragmento de Estrela que o vento soprou.

Imagem: Internet (chicote feito com o órgão reprodutor do boi)

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 86 vezesFale com o autor