Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12482)
Cordel (9833)
Crônicas (21793)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41439)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136912)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4473)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->Cavalo fi duma égua -- 25/02/2018 - 08:07 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



Presidente era filho de uma égua manga-larga cruzada com um cavalo pangaré da fazenda vizinha. A égua estava no cio e o pangaré rompeu a cerca. Generoso comprara a égua Leopoldina, numa exposição em Montes Claros, pagara uma fortuna pelo animal e quando soubera que ela ficou prenhe de um cavalo à-toa...Reclamou do vizinho.
— Seu cavalinho desclassificado invadiu minha manga.
— Conserte a cerca!
— A cerca não é só minha. Está na divisa. Dou o arame e o senhor paga a mão-de-obra.
— Não gasto um tostão. Tem outro senão! Recue sua cerca. Está dentro de minhas terras.
— A referência é o jenipapeiro. E a cerca tá coladinha nele.
— O pé jenipapo era meu. Agora está dentro de sua fazenda.
— Não refiz a cerca. Não mudei os limites da divisa. Já estava assim, quando comprei do antigo dono — disse calmamente, Generoso.
— É rixa antiga, respondeu o outro. Mas não vai ficar assim.
Quando égua  de meio-sangue pariu um potro sem raça definida, Generoso teve raiva do cavalo e o dono. Mas depois de crescido, o cavalinho  revelou-se  bom de campo, e recebeu o nome de Presidente. Agora derrubara o patrão na frente dos vaqueiros, e outra vez,  Generoso teve raiva de Dolmênico, o dono do pangaré, que não respeitara a procedência genética de Leopoldina.
***



Adalberto Lima - fragmento de " Estrela que o vento soprou."


Leia também:


Inesquecível lua de mel


 


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 97 vezesFale com o autor