Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56570 )
Cartas ( 21154)
Contos (12586)
Cordel (9988)
Crônicas (22108)
Discursos (3130)
Ensaios - (8899)
Erótico (13336)
Frases (42988)
Humor (18273)
Infantil (3714)
Infanto Juvenil (2542)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137823)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4637)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Ninguém guarda luto pela inocência -- 22/09/2004 - 17:43 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Palavra bonita, mas vivo me perguntando se seu significado tem lugar no mundo de hoje, e em todos os mundos passados. Já faz muito tempo que penso nisso, mas meu pensamento foi amadurecendo, assim como eu, e a idéia que eu tenho de inocência hoje é bem diferente da que eu tinha quando era mais novo.

Neste inútil ano de eleições tão inúteis quanto vamos votar para escolher quem vai mandar nosso dinheiro pra Suíça nos próximos quatro anos. Todos estão quebrando a cabeça decidindo quem vai ser o melhor prefeito, quem vai fazer o melhor pela cidade, quem isso e quem aquilo, mesmo que saibam que nenhum deles vai fazer bosta nenhuma, com exceção de fazer uma reformazinha aqui e outra ali, jogar algumas migalhas pro povo que, dividido entre os que trabalham demais pra prestar atenção no que acontece no mundo e entre os que já tem tudo o que querem e não precisam se preocupar, não vai correr atrás dos prejuízos que tomam. Eu mesmo comecei a pensar nesses prejuízos quando liguei hoje para a CET pra conversar sobre uma multa de trânsito que recebi há alguns dias. Comentei que achei muito estranho ter recebido a dita-cuja, uma vez que há mais de um ano passo por aquele trecho naquela mesma velocidade e nunca fui multado. Quando perguntei como poderia fazer para provar que não estava naquela velocidade a moça que me atendeu disse que não tinha jeito, que tudo que eu poderia fazer é pagar a multa. Perguntei qual a utilidade de se poder apresentar uma defesa se eu não tinha sequer como provar que eu não estava cometendo aquela determinada infração e ela me respondeu que não tinha jeito, que o aparelho era construído pelo INMETRO e que não havia possibilidade de falha. Palavras dela, é claro. Quer dizer que se ela me dissesse que o Papai Noel construiu o aparelho eu teria que considerar os cinco pontos na carteira como presente?

O demônio é, sem dúvida, o senhor deste mundo, conforme já foi dito na Bíblia. Todos os dias ouço gente reclamando da política, papel que se repete desde que eu era pequeno. Todos os dias falam mal dos políticos e os comparam com os antigos, de quem falaram mal naquela época. Dizem que falta alguém que tome frente e faça aquilo que tem que ser feito pra colocar o país nos eixos, nos livrar da dependência dos países desenvolvidos e toda aquela merda que qualquer um que já tenha estado numa rodinha de colegas conversando por alguns minutos conhece. Claro que a culpa dos caras estarem lá em cima é nossa, não por termos votado errado, pois qualquer um deles ia fazer merda quando chegasse lá em cima, isso é fato consumado, já que o poder corrompe e o poder total corrompe totalmente, mas também porque o povo é acostumado é comer a bosta de tudo quanto é idiota que ocupa cargo na política. E o pior é que não se acostumou com isso porque foi obrigado, mas sim por livre e espontânea força de vontade. Assim como Adão escolheu fazer a vontade de sua mulher, que por sua vez escolheu fazer o que a serpente lhe sugeriu, levando-a a crer que com isso seriam mais poderosos do que Deus, o homem dia após dia se esquece do único que realmente se importa com ele e busca seu próprio caminho apenas, no qual tropeça diariamente e usufrui de seus vícios e maus hábitos em geral, até o dia em que estes mesmos costumes o levam a destruição. Desde o reles peão de obra até o executivo que usa relógio de R$40.000,00 e cujos sapatos tantos gostariam de lamber só pra se sentirem um pouco mais perto de sua riqueza, todos demonstram ter se esquecido ou simplesmente não se preocupam em ver que existe um exemplo melhor para ser seguido, o exemplo do eterno Rei Jesus Cristo, o único amor verdadeiro, cujos ossos foram transformados em pó e cujas veias secaram na cruz do Calvário e cujo nome é diariamente difamado por intelectuais de fala mansa que teimam em escrever teses e mais teses afirmando que Ele não existe. Volto a dizer que é o único amor verdadeiro pelo motivo que o amor humano é temporário e só dura até a hora em que a paciência resolve pedir as contas, seja a dos pais, a dos filhos ou parentes em geral, até mesmo as melhores amizades (porque existem amigos que são melhores que muitos parentes).

Em que ponto pode-se dizer que a humanidade é inocente? Aos nossos próprios olhos somos todos inocentes e jamais cometemos falta alguma, com exceção de uns poucos mais sinceros que realmente reconhecem sua condição falha e mortal, mas infelizmente são bem poucos. Mas perante o Senhor, que é a única verdade (pois a verdade humana se limita àquilo que cada um acredita ser verdadeiro) talvez sejamos todos culpados, o que O leva às lágrimas por ver sua criação se entregar de corpo e alma a um dos princípios básicos do satanismo, que é servir apenas a si mesmo. O fato é que, conforme o título do presente texto, a inocência está morta, e ressucita unicamente para ser novamente assassinada, de forma lenta e a sangue frio e, depois disso tudo, é enterrada como indigente.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 543 vezesFale com o autor