Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
26 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56716 )
Cartas ( 21159)
Contos (12581)
Cordel (10002)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8935)
Erótico (13377)
Frases (43185)
Humor (18330)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2592)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137942)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4715)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->TOALHAS DE RENDA -- 16/04/2002 - 00:45 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




TOALHAS DE RENDA







Jan Muá

15 de abril de 2002





É um lindo tear, esse, onde teces

Bem acabadas toalhas de renda

Nos fios míticos

Que resguardam tuas secretas linguagens de amor!



É um lindo tear, esse, onde arriscas

O ofício de tecedeira

Que sabe fazer navegar o fio das palavras

No desenho que dispõe ao vivo

O painel do gosto!



É um lindo tear esse

Onde folheias as páginas da memória

Animada por palavras-linhas

Que decoram teu tecido

No sobressalto de tua solidão!



É um lindo tear esse

Quando cozinhas lembranças adormecidas

Nas orelhas verbais dos textos

Inscrustadas nas intenções enteceladas

Do teu existencial ofício de viver



Das ameias de teu castelo

Posso mirar as frestas labirínticas

Que iluminam teus dizeres

E assistir pela frincha ao jogo

Nominalista que praticas no tear da tua retórica em disposição



Assentado na mesa onde as bruxas

Lêm os filamentos letrados de teu verbo

Ouço a voz calada de um serzinho amigo

Me dizer que há torneios dialéticos programados

Nas sessões serótinas de diversão em teu castelo!



Meus mestres e meus aios me ensinam

Que a beleza retórica que carregas em teus membros

Está muito além do corpo, dos lábios e do coração



Há em tua volta devesas ermas sem pássaros

Sem cantos e sem amores

Onde o vento agreste retorce ramos e lança coriscos

Em impiedosa tempestade



Enquanto teu viver for essa travessia

Queimada na ardência da palavra

E teu passo for a dolorosa passagem pelo Liso do Sussuarão

Eu irei tecendo meus versos

No balanço do espaço da nave azul



Animado pela voz dos pássaros

Corro para que meus lábios encontrem beijos

Em raras e válidas palavras

E para que meus braços lacem as ternuras enleantes da vida

Com meus olhos se auto-convidando a refazer

Em luminosas e infinitas estrelas espalhadas

Pelos espaços infinitos

Todo aquele mundo que me dá intenso prazer de viver!





Jan Muá

15 de abril de 2002

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 769 vezesFale com o autor