Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
117 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12484)
Cordel (9833)
Crônicas (21794)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41439)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136913)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4474)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Editorial (Trabalho e Mães) -- 06/08/2005 - 23:08 (Ricardo Marques) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
EDITORIAL
Maio um mês muito especial, pois lembramos do dia do trabalho (1. de maio) e comemoramos o dia das mães (13 de maio).
Sabemos que não temos o que comemorar no dia do trabalho, diante de tantos e tantos desempregados, num país onde o trabalhador não é respeitado, ganhando cada dia menos para aumentar os lucros e os abusos dos patrões. Mas isso faz parte das necessidades atuais, assim eles dizem, bem como, a chamada globalização que vem com um rearranjo inevitável, uma reengenharia ou uma filosofia de qualidade total, para atender a quem ?
Assim sendo, temos alguma razão de empunharmos nas mãos bandeirinhas, em defesa ou homenageando aquilo que hoje quase não temos ?
Tudo isso, faz-me lembrar a história de um amigo, funcionário de uma multinacional alemã, que foi fazer um curso naquele país, quando teve a surpresa de saber a diferença salarial entre eles, exercendo a mesma função. É então que gostariamos de gritar para os surdos de almas, que não somos contra o progresso , somos contra sim ao predadorismo desenfreado, a desvalorização da nossa mão-de-obra e o pouco caso pela dignidade do trabalhador brasileiro.
Deixemos o que é triste um momento, para pensar no que é mais digno e belo de nossas vidas, as nossas mães, estas guerreiras e também vítimas desse emaranhado que se tornou nossas vidas, onde o seu papel de mãe está sendo transferido para outras mães, as mães de contrato que encontramos nas creches, escolinhas e até dentro de nossas casas (empregadas domésticas), e tal abdicação se deu para a própria sobrevivência dos seus lares, pois num país onde cada dia se ganha menos, se vêem com necessidade de trabalhar para complementação de renda, pois precisam sobreviver.
Mas apesar dos pezares estas guerreiras, sustentáculos da família, só não foram extintas por serem maiores de tudo o que se pode pensar, pois possuem a maior força do universo, o amor e nós também a amamos.
Comemoramos também o dia dos namorados (12 de junho), e a saudade bate em nossa porta. Tempos outros onde havia uma pitada de magia e inocência nos olhares e gestos.

Rimarquesz
(Informativo Poético - Idas & Vindas - Número 10 - Ano 2 - Publicação Bimestral - Gratuita - maio/junho - 2001)
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui