Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55060 )
Cartas ( 21063)
Contos (12134)
Cordel (9568)
Crônicas (21229)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39988)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135730)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infanto_Juvenil-->Camponesa -- 04/07/2014 - 16:49 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Foto: Nas primeiras águas,  berra o boi solto na manga, corre o cavalo batendo os cascos, sacudindo o pescoço, roncando  atrás de uma égua no cio; ronca o trovão, vem a fartura, transborda o leite na gamela; sopra o vento na janela e na palma do tucunzeiro. A mulher do vaqueiro trabalha feito saúva e tem todo ano um filho. Soca pilão, debulha milho, arranca malva, varre o terreiro, cozinha e  engorda o porco no chiqueiro, tange a galinha, toca o galo pro poleiro; serve o prato do marido e se banha nas águas do ribeiro. No fim da tarde, cata piolho na filharada  e espera o amado que mesmo cansado quer fazer mais um pimpolho. Enfim, novo dia se levanta. Canta longe a cocar no ninho. A camponesa colhe os ovos, deita na galinha criadeira, nascem pintinhos. Crescem juntos os pretos chuviscados de branco, filhos postiços da galinha amarela e os amarelinhos filhos  da mãe branca como se irmãos de sangue fossem. A galinha cisca no terreiro e vai para a horta, mas o pé não passa  na tela de passarinho. Os pintinhos vazam por baixo num vão que só cabe um dedo. A mulher joga milho e de novo atrai a mãe das crias. Os pintinhos piam espavoridos. A galinha  corre cacarejando, chamando a pintainhada: kuá... kuá... kuá. Kua-rá-kua-kuá. Karcará. Corre pra lá e pra cá, até que um atende o chamado, os outros o seguem e todos vão pro quintal fustigar um filhote de cobra verde na grama.  

***
Texto: Adalberto Lima
Imagem: Google.

Nas primeiras águas,  berra o boi solto na manga, corre o cavalo batendo os cascos, sacudindo o pescoço, roncando  atrás de uma égua no cio; ronca o trovão, vem a fartura, transborda o leite na gamela; sopra o vento na janela e na palma do tucunzeiro. A mulher do vaqueiro trabalha feito saúva e tem todo ano um filho. Soca pilão, debulha milho, arranca malva, varre o terreiro, cozinha e  engorda o porco no chiqueiro, tange a galinha, toca o galo pro poleiro; serve o prato do marido e se banha nas águas do ribeiro. No fim da tarde, cata piolho na filharada  e espera o amado que mesmo cansado quer fazer mais um pimpolho. Enfim, novo dia se levanta. Canta longe a cocar no ninho. A camponesa colhe os ovos, deita na galinha criadeira, nascem pintinhos. Crescem juntos os pretos chuviscados de branco, filhos postiços da galinha amarela e os amarelinhos filhos  da mãe branca como se irmãos de sangue fossem. A galinha cisca no terreiro e vai para a horta, mas o pé não passa  na tela de passarinho. Os pintinhos vazam por baixo num vão que só cabe um dedo. A mulher joga milho e de novo atrai a mãe das crias. Os pintinhos piam espavoridos. A galinha  corre cacarejando, chamando a pintainhada: kuá... kuá... kuá. Kua-rá-kua-kuá. Karcará. Corre pra lá e pra cá, até que um atende o chamado, os outros o seguem e todos vão pro quintal fustigar um filhote de cobra verde na grama. 

***

Texto: Adalberto Lima

Imagem: Google.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 252 vezesFale com o autor