Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
130 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12484)
Cordel (9833)
Crônicas (21794)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41439)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136912)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4474)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infanto_Juvenil-->O TRISTE CLANGOR DA CARIMBAMBA -- 12/12/2017 - 22:54 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Quantas lembranças:  recordações guardadas
 nas tranças congeladas no álbum de família. 

  
O Rio  já não era mais a capital do Brasil. Há pouco,  Brasília ressurgia do sonho salesiano, aportado no coração  de Juscelino. Mas não era  este o gosto de Corina, cuja dor afastara-lhe o sorriso. Era preciso educar as filhas. Brasília ainda estava nos cueiros. E Corina escolheu morar no Rio de Janeiro. Ali Corina quis dar o mesmo aspecto do casarão da fazenda, mandando cavar um oratório na parede, e quando entrava no quarto, podia ver a imagem do Crucificado, entalhada em bronze.  No alto da parede, com a face voltada para os pés da cama, também estava o retrato do finado, quando jovem. Já na moldura menor, sob o olhar de ontem do pai, a pequena Dulcineia descansava no colo da mãe. 
Nem tudo que Corina viu e aprendeu, veio das cercanias da fazenda Campo Grande, ou  dos almanaques que lia. Tinha impressões de viagem do Rio de Janeiro à Bahia, fuxicando com a neta também o  Norte de Minas, para recontar sua história. Aprendera muito com o marido, que trouxera do Nordeste uma bagagem de cultura: regionalismo, sabedoria popular,  e um baú de lendas e fatos com matiz das cores brasileiras. A carimbamba,  por exemplo, Corina achava que era invenção de Generoso Batista. Ele contava que ninguém do sertão ou do mar, jamais viu a carimbamba. Só à noite se ouvia seu lamento triste, semelhante ao clangor da acauã, canglorando, canglorando, agourando morte na aldeia. Dizem que  a carimbamba que há três mil anos cantava, tinha cabeça de gente e asas que não voam. Era igual em malvadeza ao Cabeça de Cuia que ‘Sete Marias  precisava tragar. Sete virgens comer pro encanto acabar...' Era quase escuro, quando a mocinha ouviu cantar: “amanhã eu vou... amanhã eu vou...amanhã eu vou... amanhã eu vou.” Curiosa, adentrou a mata, e ao pisar o junco, na beira do brejo, a vegetação se abriu e a lagoa encantada apareceu. Maryula viu a carimbamba e nunca mais voltou para casa. Por isso, até hoje, corre o boato, que uma velha encurvada, grasna, em noites de lua cheia, na lagoa que não é mais encantada. 
***

Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou."
Imagem: internet
Adalberto Lima
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 129 vezesFale com o autor