Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
120 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56473 )
Cartas ( 21121)
Contos (12490)
Cordel (9844)
Crônicas (21812)
Discursos (3123)
Ensaios - (9984)
Erótico (13198)
Frases (41503)
Humor (17697)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136963)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4478)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infanto_Juvenil-->Carimbamba -- 31/05/2018 - 13:55 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Maryula ouviu a carimbamba cantar: “amanhã eu vou... amanhã eu vou...amanhã eu vou... amanhã eu vou.” Curiosa, a menina adentrou a mata, e ao pisar o junco, na beira do brejo, a vegetação se abriu e a lagoa encantada apareceu. Maryula não voltou para casa. E até hoje, corre o boato, que uma velha encurvada, grasna, em noites de lua cheia, na lagoa que não é mais encantada. 

— A  menina se transformou numa velhinha mesmo, vovó?
— A velhinha faz parte da técnica utilizada pelo autor. Nas lendas e histórias infantis, as personagens não crescem, não envelhecem e não morrem. Até saem dos livros de ficção, e vão morar no mundo real. 

Personagens  saem dos livros  como as esculturas de protagonistas do cristianismo, que vó retirava do oratório e levava para o presépio. As imagens iam adorar o Menino santo, em uma gruta improvisada no canto da sala.  Era tão real. A vida, enfim,  é uma representação da realidade desconhecida. Certamente, muitas vidas se perderam, outras enveredaram atalhos à procura do tesouro perdido. Mas, nunca encontraram a Ilha do Tesouro. Nunca encontraram. 

— Se a ilha existe, hei de encontrá-la — disse a menina.

E navegou no mar da ideias. Sofreu angústia e medo, ao tecer com fios de aranha o enredo da obra que escrevia. Acudiu-lhe, no entanto,  o Bruxo do Cosme Velho, sugerindo que começasse a peça  pelo fim. Entrasse logo no ápice, e atingisse a culminância nos primeiros momentos: “Deve-se contar  tudo no primeiro ato...” Ravenala discordou. Preferiu abrir a torneira e soltar água aos poucos, para que uma formiga não fosse arrastada pelo tsunami e a história terminasse ali. Ela entendeu que deve tecer a ficção com fiapos da realidade. Por isso, quase tudo que contava para Maria Emília, era verdade: ou aconteceu, ou vai acontecer. Pois,  a ficção avança os muros da realidade ou a realidade penetra o labirinto da ficção e já não se sabe mais onde termina uma e começa a outra. Enfim, o que hoje é ficção, amanhã pode ser realidade.
***
Adalberto Lima, trecho de "Estrada sem fim...)
Adalberto Lima, Foto do Monumento da lenda do Piauí, Cabeça de Cuia.
Contato com o autor: adalbertolimapoetadedeus@gmail.com
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 31/05/2018
Código do texto: T6351638 
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 178 vezesFale com o autor