Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
70 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54951 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9548)
Crônicas (21143)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39911)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135664)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4197)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Discursos-->GRANDES PERDAS. (Aos nobres colegas ADVOGADOS) -- 05/07/2012 - 15:17 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

GRANDES PERDAS. (Ana Zélia)
(Aos nobres colegas ADVOGADOS).

Quantos partiram em tão pouco tempo.
Dr. Simonetti, saudoso Presidente da OAB/AM.
Dois colegas praticaram o Suicídio.
Tiros na alma, desespero de quem fica...

Dia 28 de junho, mais um colega parte vítima de infarto fulminante,
Dr. Ferraz.
Advogados, Promotores, Procuradores, Juízes,
Defensores, Desembargadores...
Amanhã quem será?

É hora de pensarmos no porquê de tantas perdas frente a um mal
que não perdoa, não avisa, mas que pode ser tratado, evitado.
Advogados militantes, num desespero com causas conhecidas, tiram a vida,
com balas certeiras.
Perdemos dois em meses.

Perdemos o Procurador, saudoso amigo Dr. João Bosco Valente,
Do qual me orgulho ter sido aprovada no mesmo concurso para o MP.

Advogada sem exercer a militância diretamente, sinto na pele, a angústia
de ver um filho tentando sobreviver na advocacia.
O elevado número de faculdades formando bacharéis em Direito,
Tentando jogar no mercado combalido centenas de futuros advogados,
que precisam romper a “barreira do som”, ir aos píncaros e vencer,
quem sabe hoje o maior entrave a eles: A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL.
Os que conseguem matar a “Fera” precisam diuturnamente, cortar-lhe a cabeça,
sobreviver, alimentando sonhos, esperanças...

Concursos que antes eram disputados pelos filhos nativos, hoje, levas e levas de
Aviões fretados chegam trazendo bacharéis de outros Estados, quiçá,
mais preparados, mudam o linguajar caboclo.
Pelo sotaque sabemos seu Estado, a maioria passa a amar esta cidade que os
recebe de braços abertos, mas que não consegue
enxugar as lágrimas de seus próprios filhos.
A hora é de reflexão.
Unidos no mesmo diapasão, Magistratura, Ministério Público, Defensoria,
Polícia Civil e Militar, OAB, advogados, bacharéis, Faculdades, a população,
Legisladores, a solução pode começar por pequenos, grandes atos:
Casos simples, briga de vizinhos, excesso de sons, ruídos, barulhos fora de hora,
seguem um ritual sem solução.

Polícia- BO- Audiências.
Casos que um delegado de ontem resolvia com
uma simples batida na mesa, com autoridade.
Hoje, segue para os Tribunais de Pequenas Causas,
que a população carinhosamente chama
de “Eternas Causas”.
Novo ritual: Conciliadores, um tempo perdido.
Sem solução, chegam depois de longas esperas aos juízes.
Horas perdidas, tempos passados, sem solução e os interessados seguem
deixando de lado, alguns mudam até de Estado.
Prejuízos morais, achatamento da Justiça, acúmulos de memórias,

nos computadores, sujeitos a sistemas que os tiram do ar,
cautela que devemos ter e não confiar.
Cada advogado deve ter seu arquivo pessoal, a tecnologia pode falhar...

Advogados passando fome, como eu passei, abandonando sonhos,
trocando de profissão, o mercado informal está repleto deles.
É hora de exigirmos dos legisladores, leis com rituais mais rápidos,
eficientes, desafogando a JUSTIÇA e a deixando célere.
Basta de Genocídio, Suicídios coletivos.
Manaus, 29 de junho de 2012.
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Nota da autora- O noticiário policial nas emissoras de rádio diariamente informam
Das mortes, dos suicídios de advogados, alguns por tiros, outros por Infarto.
A morte, como o “Vento da desgraça”, expressão de um radialista, sopra forte,
Audiências adiadas, clientes inconformados por falta de solução,
Advogados passando fome, mudando de profissão. E a OAB? Elegemos homens
que militam na advocacia e nem percebem a decadência de tantos.
Que Deus nos proteja.

Ação. JUSTIÇA!
Manaus, 05.07.2012 (Dra. Ana Zélia- OAB/AM nº 1055).




 

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 309 vezesFale com o autor