Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
105 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55947 )
Cartas ( 21109)
Contos (12417)
Cordel (9757)
Crônicas (21611)
Discursos (3119)
Ensaios - (9947)
Erótico (13172)
Frases (41021)
Humor (17617)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5434)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136496)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4431)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Discursos-->Discuro... Diploma Combatentes da Batalha do Jenipapo -- 14/03/2018 - 08:41 (Adrião Neto) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Discurso de Recebimento do

Diploma de Honra ao Mérito de Bravura e Heroísmo

Combatentes da Batalha do Jenipapo




Senhores e senhoras,



Nesta data festiva em que se comemora os 195 anos da sangrenta Batalha do Jenipapo, travada nos arredores da Vila de Campo Maior, tenho a grata satisfação de participar desta solenidade cívica e cultural, promovida pela Academia Campomaiorense de Ciências, Artes e Letras (ACALE), para receber o dignificante Diploma de Honra ao Mérito de Bravura e Heroísmo Combatentes da Batalha do Jenipapo.

Sou muitíssimo grato à ACALE por mais esta significante homenagem a mim concedida, graças à generosidade do seu ilustre presidente, referendada pelos nobres membros deste brilhante Cenáculo de Ciências, Artes e Letras.

Por sua destacada atuação no meio cultural do Estado, a ACALE, honra, dignifica e engrandece a Terra dos Carnaubais, que deste à sua origem na fazenda Bitorocara, fundada no ano de 1695, por Bernardo de Carvalho e Aguiar – uma das principais figuras do Piauí Colonial –, coleciona histórias de conquistas, bravura e heroísmo.

O próprio Bernardo de Carvalho e Aguiar, que além de ser o responsável pelo assentamento de várias outras fazendas ao derredor da sua, promovendo assim o povoamento e o desenvolvimento da região, que cresceu sob as benções de Santo Antônio, foi um valoroso militar. Inicialmente, exerceu o posto de Capitão de Infantaria da Ordenança comandada pelo Capitão-Mor do Piauí José Garcia Paz. Posteriormente, foi nomeado para outras funções militares, chegando ao posto de Mestre-de-Campo do Piauí, exercendo importante papel no cenário político e militar da região meio-norte do Brasil.

A minha luta pela inclusão da data histórica da Batalha do Jenipapo na Bandeira do Piauí e pela concretização da homenagem aos vaqueiros e roceiros no Monumento Nacional do Jenipapo, credencia-me para o recebimento de todas as honrarias, a mim concedidas pelo poder público municipal e por esta atuante instituição cultural. No entanto, continuando com meu desiderato pela valorização da História do Piauí, ao tempo em que registro minha gratidão pela outorga destas importantes distinções, aproveito a oportunidade para sugerir à ACALE, que lute pelo reconhecimento e a valorização das personalidades locais, que fizeram a História de Campo Maior e do Piauí. Dentre as quais, lembro três vultos importantes e dignos de homenagens por parte do poder público municipal, que bem poderia batizar logradouros da cidade com seus nomes. O primeiro, é o Mestre-de-Campo Bernardo de Carvalho e Aguiar, que além de militar e agropecuarista, dedicava-se à religião católica. Foi o principal colaborar do Padre Tomé de Carvalho, tendo construído a igreja de Santo Antônio do Surubim, às suas próprias expensas; o segundo, é o Tenente Simplício José da Silva – um dos mais notáveis campomaiorenses. Foi parlamentar do Senado da Câmara de sua terra natal e um dos mais notáveis combatentes da Batalha do Jenipapo. Destacou-se também como o principal protagonista da guerrilha, que expulsou Fidié do Piauí para o Maranhão, onde os independentes triunfaram definitivamente contra as tropas portuguesas; o terceiro, é o Rábula Lourenço de Araújo Barbosa – revolucionário inquieto e combativo. Foi um dos maiores propagandistas de nossa independência. Fazia pregações públicas em favor do movimento separatista. Publicava e distribuía panfletos incendiários e fabricava pólvora para municiar os revolucionários.

São, portanto, três personalidades dignas do reconhecimento e da admiração dos campomaiorenses.

Tudo que se fizer pelo primeiro ainda é pouco.

Os outros dois, além de outras homenagens, merecem também placas, no Monumento Nacional do Jenipapo, com o registro de seus feitos em favor da nossa independência.

Além dessas três figuras, muitos outras de destacada atuação em várias áreas, também merecem emergir profundezas das águas lamacentas do Rio Letes – o rio do esquecimento da mitologia grega. Para tanto, é necessário o empenho e a determinação da ACALE para sugerir as homenagens e municiar o poder público municipal com as informações relevantes acerca dessas dignas personalidades.



Encerrando este pronunciamento, renovo meus agradecimentos por mais um galardão, concedido por este conceituado silogeu – um dos mais importantes templos da cultura, do saber e do conhecimento do Piauí – uma instituição atuante e honrada, que sempre lutou pelas causas relevantes de Campo Maior e do nosso Estado.











Adrião Neto – Dicionarista biográfico, historiador, poeta e romancista com vários livros publicados. Autor da ideia da inclusão da data histórica da Batalha do Jenipapo na Bandeira do Piauí, e da proposta para homenagear, com estátuas, os vaqueiros e roceiros no Monumento Nacional do Jenipapo.
 


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui