Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
124 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56467 )
Cartas ( 21121)
Contos (12490)
Cordel (9844)
Crônicas (21809)
Discursos (3123)
Ensaios - (9983)
Erótico (13198)
Frases (41494)
Humor (17697)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136956)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4478)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Religiosos-->O OLHAR -- 14/06/2016 - 19:59 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




A família se retira. Examino melhor o motorneiro de pedra. Alguém aceitou ser o modelo daquela estátua. Um dia o motorneiro não foi pedra. Talvez tenha sido uma fotografia amarelada. Terminou aqui totalmente desconhecido. O percurso inverso é possível. O boneco mantém o silêncio. Chegando perto pode ser gente novamente. Nesse instante pode ser gente. Chego perto. O motorneiro de pedra olha o indefinido e estanca. Volta a observar e o que vê retorna. Ele está dentro de um dilema. Tornou-se um tipo de cadáver atormentado por uma questão que o mantém de olhos abertos. O mundo possui um valor que justificasse a sua saída da pedra? O motorneiro não me responde, mas o instante em que o encarei, a pedra, o micro - segundo, se junta ao momento daquela família que fotografou o bonde. Este último momento se une a luminária da avenida, à buzina de um automóvel, à mulher que puxa as cortinas da sua janela e a ventania que levanta os cabelos daquela adolescente. O meu exame captura também o homem que ajeita a antena e o menino que reclama do gosto da alface enquanto um velho entra em seu apartamento sem usar a chave porque esqueceu a porta aberta.

As imagens se juntam: a buzina do automóvel é acionada quando a mulher abre as janelas. O vento passa. O ancião ajeita a roupa do menino para um outro jogar a alface pela janela. O reflexo da luminária esmaga a lataria dos automóveis. Uma Mulher cospe no pai. Tudo são alfaces no meio das avenidas.

Alguém morre neste instante. O médico dirige-se ao pai e avisa “Seu filho morreu” e o pai questiona: “Morreu! De que forma? O que vocês vão fazer agora? Ele morreu e continua a morrer. Ali sobre a maca.”

Se Deus for algum troço seria isto? A multiplicação do instante. Aqui e ali. O baque do que acontece. O guarda-chuva no fundo da piscina. O agora que envolveu a todos. Nem antes, nem nunca.

Isto é o mais próximo que cheguei da frase: “Livrai-nos de todo o mal, amém!”




TRECHO DO LIVRO "DEUS, A FERIDA E A PERIFERIA" JÁ EXPOSTO NA USINA


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 19Exibido 294 vezesFale com o autor