Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
30 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56741 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->SONO DEPOIS DA VIGÍLIA -- 22/06/2000 - 22:28 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






Não gostaria que dormisses sem mim

Bom seria mantermos a vigília juntos

No diálogo das cores

No prado verde

Ou no céu azul

Sob o testemunho da luz



Não gostaria que dormisses sem mim

Pois não deglutiria a solidão

Que pousaria na quietude do teu silêncio



Melhor seria que programasses teu sono

Ao fim do dia

Com tempo e espaços próprios

Para acordares na aura hílare da manhã



Pela penumbra da janela de teu quarto

Eu sei quando teus olhos dizem adeus às coisas

E descem no embalo da inconsciência

Reprogramando a energia que dará vida

A novas horas



Eu gostaria que me ensinasses

O testemunho da vida

No longo leito da cor profunda



No diálogo da existência

Não escureceremos nossos olhos

A fim de que eles vejam as ondas

Das áreas afinadas



Mais profunda a vida

Merece nossas mãos

Sinal magnético de contatos



Eu gostaria que não dormisses sem mim

Pois sei que teu sono se afina com o meu

Depois da vigília atenta

Quando muito sol e muita vida

Muito amor e muita esperança

Fluem pelos nmossos poros

E pelos nossos corpos

E nos transmitem inquieto horizonte

De palpitação



Eu gostaria que não dormisses sem mim

E me ensinasses a programar

Um sono colorido

Ao fim do dia

Quando nossos olhos dizem adeus às coisas claras.





Jan Muá

Brasília 1987
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 677 vezesFale com o autor