Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
30 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56745 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22137)
Discursos (3131)
Ensaios - (8939)
Erótico (13379)
Frases (43224)
Humor (18342)
Infantil (3740)
Infanto Juvenil (2603)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4731)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Redação-->POESIA E PROSA -- 26/06/2011 - 13:24 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Embora na prosa procuro retratar ao máximo a realidade, dando aos personagens atos, pensamentos e fala tal qual muitos de nós, na poesia a coisa é diferente. E mesmo que o poeta tente retratar cenas do cotidiano, estas não devem ser retratadas como numa prosa. A poesia exige um certo lirismo, um jogo de palavras, uma escolha mais apurada para a formação dos versos. De forma que, embora muitos não achem necessário, as figuras de linguagens dão um toque especial a poesia e a torna mais rica. Os versos do poema "Delírios Eróticos" (os quais me ocorreram num momento de inspiração), apesar de compor um poema erótico, não usa nem termos chulos e nem cita diretamente os órgãos sexuais e nem por isso deixa de estar carregado de sensualidade. Por isso volto a dizer, como já disse certa vez num poema:

Eu brinco com as palavras
Como uma inocente criança
Diverte-se com seus brinquedos


Eu faço poesia assim, brincando com as palavras.


DELÍRIOS ERÓTICOS

Sob o fechar de meus olhos contentes,
Respiro o perfume suave de teus seios
Mas é com o odor mágico de teus meios
Que eu pratico atos inconsequentes.

Nesta pequena ilha de quatro paredes,
Onde a sede é um fato inevitável
Eu bebo de tua água -- líquido potável
E assim mato lentamente a minha sede.

O sabor de teu liquido me inebria,
Leva-me a um mundo de fantasia
Que só tua fonte sabe provocar.

E enquanto me deixo em ti inebriar
Experimento um deleite inconfundível
Ao atingir o ápice de um prazer indefinível.



ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO ORKUT
NO FACEBOOK
TWITTER



SE VOCÊ GOSTOU DESTE TEXTO, LEIA TAMBÉM:
E O GOOGLE VENCEU
IOS, ANDROID, MEEGO E O FIM DO WINDOWS
VELHOS TEMPOS
ATOS QUE NOS FAZEM CRESCER
FIM DOS VÍRUS; LINUX
PORQUE EU USO O OPERA BROWSER
SONHOS E ESPERANÇA
EU VEJO A VIDA ASSIM...
ACASOS
BRINCANDO COM AS PALAVRAS
PARA LER NIETZSCHE (2)
DO QUE O BRASILEIRO PRECISA
PARA LER NIETZSCHE (1)
SOU ASSIM...
O SENTIDO DA VIDA
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui