Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54597 )
Cartas ( 21042)
Contos (12049)
Cordel (9418)
Crônicas (20968)
Discursos (3104)
Ensaios - (9880)
Erótico (13102)
Frases (39638)
Humor (17532)
Infantil (3554)
Infanto Juvenil (2304)
Letras de Música (5408)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135304)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4141)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Redação-->J.M.SIMMEL E A MINHA OPÇÃO PELA LITERATURA -- 21/07/2013 - 20:31 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Quando se é um leitor voraz como eu fui na juventude, embora ainda leio bastante hoje em dia, inevitavelmente passou-lhe pelas mãos as mais variadas obras, inclusive obras de valor literário duvidoso. Comigo não foi diferente. Nos primeiros anos da juventude, quando adquiri o gosto pela leitura, li os mais variados autores sem se preocupar com a qualidade da obra. Aliás, a leitura não passava de um prazer, ainda para um menino tímido que não gostava de baladas e preferia mil vezes ficar em casa na companhia de um livro. E diferentemente do que ocorre hoje em dia, naquele tempo, nos primeiros anos da abertura política promovida pelo então presidente João Batista Figueiredo, as bancas de jornais lançavam coleções a preços baixos. Embora não fosse um garoto de posses, gastava todo o dinheiro que tinha na compra dessas coleções. Lembro-me de várias delas, como “Obras Primas”, “Grandes Sucessos”, “Grandes Romacistas”, “Best Sellers” e “Os Pensadores” da Editora Abril; “Super Sellers” da Editora Record; e “Best Quality” da Rio Gráfica entre outras que me fugiram à memória. Cada uma dessas coleções tinham em média 50 livros. Obviamente, não li todos esses livros, mas as páginas de uma grande maioria passaram pelos meus olhos. Além dessas coleções, sempre que podia, ainda ia a uma livraria – como faço ainda hoje – e comprava uma obra de algum autor que me agradara bastante. Naquela época eu tinha preferência por alguns autores, como Sidiney Sheldon, J. M. Simmel, Robbin Cook, Agatha Crhistie, Harold Robbins, Morris West, e mais uns três ou quatro que não me lembro agora. Dessa lista, sem dúvida J. M. Simmel era de longe o meu preferido. Tanto é verdade que consegui, ao longo de 10 anos, comprar e ler todas as obras dele. Alguns como “Ainda Estamos Vivos”(1985), “Não matem as Flores”(1983), “Viver é Amar”(1980) e “Ainda Resta uma Esperança”(1950) acabei lendo-os duas vezes em período distintos. E embora alguns eu tenha lido há mais de duas décadas, ainda me recordo perfeitamente da história. Dentre todas as obras de J. M. Simmel, a que mais me marcou foi “Viver é Amar”, a qual envolve espionagem, assassinato, roubo de identidade e uma descoberta científica que leva o personagem principal, Adrian Lindhout, a ganhar o prêmio Nobel de medicina enquanto ele trava uma luta desesperada contra os efeitos perniciosos da droga. “Ao mesmo tempo, surge um painel da reconstrução do Ocidente após a Segunda Guerra Mundial, os novos conflitos e uma visão lúcida das doutrinas políticas”*. Como na maioria dos seus romances, J. M. Simmel dosa emoção e suspense enquanto nos dá uma mensagem otimista, impregnada porém de realismo e com uma preocupação humanística, provando muitas vezes emoção no leitor. E, indiferentemente das qualidades literárias de algumas de suas obras, ele não foi só o meu autor preferido daqueles anos – ainda hoje tenho um carinho especial por suas obras --, como foi sem dúvida um dos autores que me influenciaram e me incentivaram a me tornar um escritor. Aliás, o meu gosto pela literatura e filosofia alemã se deve muito a ele, embora fosse austríaco. Falo de J. M. Simmel, porque ele faleceu em janeiro de 2009 praticamente esquecido apesar de ter vendido mais de 73 milhões de livros e sua obra traduzida para mais de 30 idiomas. Johannes Mario. Simmel, ou J. M. Simmel como ficou mundialmente conhecido, nasceu em Viena, no dia 7 de abril de 1924 e publicou a primeira obra “Encontro no Nevoeiro” em 1947, mas só focou famoso ao publicar “Nem só de Caviar vive o Homem” em 1960, livro que vendeu mais de 30 milhões de cópias em todo o mundo. Dentre suas obras mais conhecidas podemos destacar, além das já citadas acima, “Amanhã é outro dia”(1978), “Amor é só uma palavra”(1963), “Deus protege os que amam”(1957), “E Jimmy foi ao Arco Íris”(1970), “É proibido Chorar”(1971), “Matéria dos Sonhos”(1971), “Mesmo sorrindo, preciso chorar”(1994), “Na primavera, o último canto da cotovia”(1990), “Ninguém é uma ilha”(1975), “Ocultos na escuridão”(1986), “Pátria Amada”(1965), “Só o vento sabe a resposta”(1973) entre outros. Talvez o amigo leitor nunca tenha ouvido falar desse autor, mas apesar de hoje ser um leitor bem mais exigente e preferir na mais das vezes os clássicos, ainda sim recomendaria a maioria das obras de J. M. Simmel que, para mim, foi muito importante na minha formação e me proporcionou momentos inesquecíveis ao navegar pelas páginas de suas obras.

Nota
* Viver é Amar, pag. 614, Círculo do Livro, 1985.



ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO ORKUT
NO FACEBOOK
TWITTER



SE VOCÊ GOSTOU DESTE TEXTO, LEIA TAMBÉM:
A DIFÍCIL MISSÃO DO WINDOWS PHONE
O NASCIMENTO DA TRAGÉDIA (NIETZSCHE)
AINDROID, IOS, WINDOWS? NÃO. FIREFOXOS
OBRAS MELHORES QUE 50 TONS DE CINZA
O QUE ESPERAR DO ROSA LINUX 2012.1
MEU ESTILO
NENHUM PASSO ADIANTE
O ABORTO EM: “A MENINA DO ÔNIBUS
O LINUX E A LIBERDADE DE ESCOLHA
O MESMO 30 ANOS DEPOIS
PARA LER NIETZSCHE (3)
LINUX MINT: A ELEGÂNCIA EM PESSOA
O ANDROID FAZ MAIS UMA VÍTIMA
POESIA E PROSA
E O GOOGLE VENCEU
IOS, ANDROID, MEEGO E O FIM DO WINDOWS
VELHOS TEMPOS
ATOS QUE NOS FAZEM CRESCER

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui