Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12482)
Cordel (9833)
Crônicas (21793)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41437)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136907)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4473)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Redação-->Lar infantil -- 25/09/2013 - 05:42 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Duas lembranças, remotas, conquanto distintas, remetem-me ao piso da

sala-de-visitas da casa onde nasci e quase cheguei a completar meu oitavo

aniversário.

São efêmeras, quase diáfanas na memória, a ponto de eu próprio me

indagar se já não são história ou estória. Bem, se é pra recordar, a hória é

agória.

No caso mais recente eu poderia até associar os tijolinhos da sala,

quadradinhos, a um ano-novo que mal nascia, pois acordara com

aquela folia de reis, direis, barulho que mais infernal me parecia e,

instintivamente fui à sala investigar. E se também eu não gritava, sustento

que convulsivamente, chorava. Onjaseviu aquela bagunça que na sala

encontrei, tanta gente estranha palreira amontoada nos cantos, formando

um espaço no centro, onde rugia a cantoria e o tilintar de guizos? Em meio

à floresta de pernas, fui saudado com efusão e, parado o choro, recomposto

meu decoro fui ainda objeto da reverência dos visitantes noturnos que

me prometiam dançar na ponta da vara. E com efeito, mo demonstraram,

botando suas bengalinhas barulhentas ao solo e, claramente, os tijolinhos

estavam lá a sustentá-las. O espetáculo me pareceu ingênuo, pobre, pois

eu esperava que eles fossem efetivamente trepar nas suas bengalas...

Doutra feita, essa mais remota na lembrança e lambança, a relação com os

tijolinhos foi mais meridiana. Fazia aquele solão lá fora, de rachar taquara

como se dizia outrora, e passando à frente de nossa casa, uma senhora

com uma criança de colo, parou para pedir água. E precisava de mais, pois

a criança duns olhos claros, cabelos anelados,andava visivelmente abatida.

Entrou a senhora, numa cadeira se sentou, e tão logo, ou tão antes que a

criança de água se embebedou - diante de nossos olhos atentos, curiosos

- ah, não hesitou, ali mesmo de pé, todo seu intestino se soltou e uma rala

barrela, mais pra amarela, ejaculou. Os tijolinhos foram logo lavados, não

digo que por minhas mãos, e com pouco já reapareciam imaculados.

Do que entanto nada pareciam saber é que não muito depois por tacos

iriam ser trocados. E até a cadeira onde se sentara a zelosa mãe, iria

parar na copa, abrindo alas para o conjunto de sofás verdes, aquele nosso

gradual luxo que só pras estórias é que repuxo.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui