Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
30 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56450 )
Cartas ( 21157)
Contos (12576)
Cordel (9977)
Crônicas (22085)
Discursos (3130)
Ensaios - (8877)
Erótico (13329)
Frases (42883)
Humor (18231)
Infantil (3704)
Infanto Juvenil (2520)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137743)
Redação (2907)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4618)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Catecúmena -- 30/09/2002 - 00:30 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






CATECÚMENA

Jan Muá

29 de setembro de 2002





Eu te conheci vestida de lantejoulas

Teimosamente apaixonada por uma quimera

Que era toda a tua alma

Era quando, entre luzes e sombras, tua feminina figura vestida de auroras lunares

Via em cada canto as entreluzes da paixão



Não bastavam as palavras porquanto as fibras da imaginação

Seqüestravam as prudências retóricas do dizer

E se afogavam deleitadas na ambrosia das promessas visionárias do coração

Era um tempo em que a alma possuída era só espaço do sentir absoluto que considerações não via senão no latejar contínuo dos raios românticos da fogosa paixão

Depois de tortuosas subidas e descidas na rampa do amor e dedicação

O tempo foi alisando a lógica dos sentimentos entre reiteradas promessas e intensas frustrações

Até que agora em renúncias surges embrulhada em teus versos tecidos em novas oficinas do sentimento

Nelas dizes que há em teu coração dispensas e renúncias de saudades lembranças e fantasias

Entre sentimentos vários e radicais afirmas que renuncias ao mar da navegação

Que ele ilusoriamente te indicava

E voltas à terra disposta a recomeçar sem pranto e sem dor

Dizendo abertamente adeus aos loucos apelos, à espera e aos silêncios difíceis de suportar

Na psique de tuas renúncias, o verso te faz aparecer coberta de véus salvadores na figura de uma sincera catecúmena

Cingida de túnica branca e de inocência protocolar

Buscando fé em águas purificadoras desejadas...

Sob a proteção da veste, juras junto aos signos do batistério caminhos de renascimento

Abrenuncias ao teor encardido do Velho Testamento

Que te nutria de badalações fantasiosas e de lembranças

Na tua pré-adolescência

Agora que descobres o novo Olimpo

Vais a caminho da descoberta de um novo deus apolíneo

Que esteja pronto a aceitar e a renovar teus sentimentos de alma

Gravados em teu corpo

E dê aos teus versos novo alento

No permanecer...

Dispensas...renúncias...decides encarcerar no dicionário

Os termos que impediram tua alma limpa e liberta

A prosseguir na construção do próprio caminho...no tempo certo!!!



Jan Muá

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 898 vezesFale com o autor